Outer Space Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One

Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One

O chefe da divisão Xbox, Phil Spencer, revelou detalhes dos meses turbulentos que precederam o lançamento do Xbox One em 2013 em uma nova entrevista. Segundo o executivo, a Microsoft considerou desistir do Xbox e do negócio de games na época, após uma sucessão de erros no projeto do Xbox One que levaram a uma… O post Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One apareceu primeiro em Outer Space.

Outerspace
Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One

Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One

Outerspace

O chefe da divisão Xbox, Phil Spencer, revelou detalhes dos meses turbulentos que precederam o lançamento do Xbox One em 2013 em uma nova entrevista. Segundo o executivo, a Microsoft considerou desistir do Xbox e do negócio de games na época, após uma sucessão de erros no projeto do Xbox One que levaram a uma derrota precoce para o PS4 da Sony.

Spencer, que na época do anúncio do Xbox One era chefe dos estúdios de desenvolvimento do Xbox, lembrou da debandada de executivos da equipe após o fatídico anúncio do console em maio de 2013 e disse que assumiu o cargo de chefe da divisão Xbox simplesmente porque era o último executivo que restou.

“O que aconteceu quando Don (Mattrick, chefe do Xbox em 2013) saiu foi que a equipe do Xbox era meio… bem, mais do que meio, ela foi espalhada pela empresa de uma forma que eu diria que não era realmente viável para o Xbox. Isso foi antes do lançamento do Xbox One. Don saiu em junho, eu acho, logo após a E3 daquele ano. Estávamos lançando em novembro. Portanto, ainda tínhamos meses para realmente lançar o console sem um líder. Marc Whitten, que era meio que meu co-gerente – ele comandava a equipe de plataforma; Eu dirigia estúdios primários – Marc acabou indo para a divisão do Windows. Continuei dirigindo jogos próprios em outra parte da empresa”, relembrou Spencer na entrevista ao site Shack News.

A saída de Don Mattrick e os outros líderes da equipe Xbox foi consequência de uma série de decisões erradas no projeto do Xbox One, entre elas a de focar no console mais como um acessório para assistir TV do que para jogar e a inclusão do Kinect 2.0 como um acessório essencial, incluído em todas as caixas do Xbox One. O Xbox One também era tecnicamente menos poderoso que o rival PlayStation 4, mas mais caro e inicialmente não permitia a revenda de jogos em mídia física.

Após a apresentação em maio de 2013, a divisão Xbox perdeu suas principais lideranças e começou a se reorganizar a partir de Spencer, que por sua vez precisou se entender com o novo CEO da Microsoft, Satya Nadella, ainda pouco familiar com as peculiaridades do Xbox.

“Então, nós estávamos realmente separados, e até mesmo nossa equipe de marketing foi removida. Isso pegou o que era a equipe coesa de Don e dividiu-a em três, ainda com o objetivo de lançarmos este console com jogos, e foi difícil. Não acho que tenha sido a melhor jogada para a estabilidade do nosso lançamento, mas parabéns ao Marc e a todos: Nós terminamos e lançamos o Xbox One quase que no dia planejado. Eu diria que algumas partes da plataforma não estavam totalmente concluídas quando lançamos, mas parabéns à equipe [por fazer o que podiam]”.

No final de 2013 e começo de 2014, a percepção de que o Xbox One ficaria bem atrás do PlayStation 4 na disputa pela nova geração já se sedimentava e foi quando a Microsoft considerou desistir do Xbox.

“Então isso foi em novembro. Marc saiu para ir para a Sonos. Satya Nadella… [risos] nós também não tínhamos um CEO na Microsoft neste momento porque Steve Ballmer havia saído. Então Satya se torna o CEO em fevereiro. Então a questão é: avançamos com o Xbox? Porque estamos ficando realmente superados pelo PlayStation no mercado neste momento. Permanecemos investidos nisso? Ou tomamos uma decisão diferente?”, lembrou Spencer.

“Ele e eu tivemos uma discussão e eu fiz uma proposta. Eu disse: ‘Sabe, os jogos podem ser uma categoria de consumo realmente importante para a empresa’. Ele ainda não entendia muito bem, não do ponto de vista da inteligência, mas simplesmente não estava perto disso. Mas ele estava disposto a apostar em nós como equipe. E eu disse: ‘O que preciso, se vou assumir a função de liderar este grupo, é reuni-lo novamente. Não posso ter minha equipe de hardware lá e a equipe de plataforma ali, e a dos jogos acolá. Preciso trazê-lo de volta como uma equipe coesa’. E ele concordou com isso. Acabei trabalhando na divisão Windows, mas juntamos todas essas peças novamente”.

“Acho que a razão pela qual acabei no cargo, francamente, foi que os outros líderes haviam partido. Eu brinco comigo mesmo, dizendo que fui a última pessoa que restou na mesa. E há alguma verdade nisso. Quero ter certeza de manter meu ego sob controle. Não era um claro: ‘Pega a pessoa que comanda as equipes de jogos e a torna o líder da plataforma’. Mas, francamente, dos líderes que estavam lá, fui eu quem sobrou”.

Desde então, Spencer tem focado suas energias em uma estratégia pró-consumidor, usando o poder financeiro da Microsoft para viabilizar a compra de estúdios de desenvolvimento e empreitadas ousadas como o Xbox Game Pass. O resultado, até agora, tem sido positivo.

“Naquele momento de 2014, quando nos reunimos como nossa nova equipe de liderança, realmente definimos o que significa para uma empresa de valor de mercado de um trilhão de dólares como a Microsoft estar no negócio de jogos. Somos, de longe, a maior empresa que é a sua empresa de jogos de plataforma tradicional do ponto de vista de capitalização de mercado. O que realmente descobrimos, com o apoio de Satya, foi que nossa identidade deveria significar algumas coisas. Uma era que deveríamos disponibilizar os recursos da Microsoft para que realmente tivéssemos sucesso nessa categoria, e uma das mudanças que criamos é que deveríamos realmente construir nossa estratégia futura em torno dos jogadores. Não é nosso dispositivo, não é nosso modelo de negócios, não há um único modelo de negócios que funciona para nós. Se realmente dissermos: ‘Vamos tomar o máximo de decisões que pudermos da perspectiva do que achamos que nossos jogadores querem’, esse é o nosso guia”.

O Xbox Series X e S foi lançado mundialmente nesta terça-feira e, pelo menos por enquanto, parece ter deixado jogadores entusiasmados para o futuro.

O post Executivo diz que Microsoft quase desistiu do Xbox no primeiro ano do Xbox One apareceu primeiro em Outer Space.

Últimas