Outer Space Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises

Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises

As primeiras análises de The Last of Us Part II publicadas em sites internacionais são amplamente favoráveis ao jogo, mas quem pensou que o novo trabalho da Naughty Dog seria uma unanimidade digna apenas de elogios se enganou. As reações a The Last of Us Part II estão oscilando entre a aclamação total, com alguns… O post Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises apareceu primeiro em Outer Space.

Outerspace
Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises

Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises

Outerspace

As primeiras análises de The Last of Us Part II publicadas em sites internacionais são amplamente favoráveis ao jogo, mas quem pensou que o novo trabalho da Naughty Dog seria uma unanimidade digna apenas de elogios se enganou.

As reações a The Last of Us Part II estão oscilando entre a aclamação total, com alguns dizendo que se trata do melhor jogo já feito pela Naughty Dog, à impressão de que esta é uma sequência fraca, prejudicada pelo excesso de violência e moralidade questionável da protagonista.

Embora o peso das críticas tenha variado e refletido nas notas, sendo que alguns sites deram nota 7/10 e outros 10/10, parece haver um consenso entre os avaliadores de The Last of Us Part II. O jogo seria tecnicamente impecável, com atuações primorosas e um tema maduro que aproxima os jogos dos filmes, porém a ênfase do enredo na vingança e a violência ininterrupta incomodou uns mais que outros.

A avaliadora da revista Time é uma delas. Em sua análise, sem nota, o tom é de certa decepção pela escolha da Naughty Dog por seu conto violento de vingança.

“O genial do jogo [original] foi que a história foi sendo construída gradualmente até um momento final que obrigou o jogador a considerar se o herói nominal da história era, de fato, um vilão. Na sequência, no entanto, o jogador é solicitado a cometer atos eticamente duvidosos não apenas uma vez, mas minuto a minuto, diminuindo o poder do que com certeza será um final controverso”.

“Mas se a intenção da Naughty Dog era chocar, apoiar-se tanto na violência tem o efeito oposto: 30 horas de jogo, é fácil ficar entorpecido por atos de crueldade. Aquele cenário assustador e cuidadosa construção de personagens se perdem em ações macabras. E enquanto a violência do primeiro jogo serviu para um conto moral convincente, o derramamento de sangue exagerado da Parte II está todo em serviço de uma lição bastante clichê e cansativa sobre o ciclo interminável de vingança. A brincadeira que elevou o primeiro jogo acima da mera fantasia distópica também se foi, pois Ellie costuma navegar por esse mundo ultraviolento por conta própria. Isso cria uma experiência solitária e deprimente no momento em que muitos de nós já estão se sentindo solitários e deprimidos”.

Na mesma linha, o avaliador do site Vice diz que “não é apenas o fato de você torturar e matar pessoas, mesmo quando elas imploram que você as poupe, ou a destruição incrivelmente detalhada de rostos e corpos que acontece com uma regularidade chocante ao longo deste jogo. É também a crescente falta de justificativa. Ninguém nunca reconsidera sua busca por vingança. Todo mundo age sob uma espécie de compulsão vingativa que é pouco comentada e não examinada”.

“The Last of Us Part II parece complacente, mas também preocupado com seu antecessor. Todas as facetas do jogo original foram expandidas e ampliadas na sequência, mas na verdade não foram melhoradas. É como se sua única inspiração fosse o jogo original e o poço da cultura pop da qual ele se inspirava. Praticamente não há nada aqui que não tenhamos visto e feito repetidamente nos jogos anteriores da Naughty Dog. Ele pretende superar o seu antecessor, mas o único contraste significativo entre eles está em sua desolação e violência ainda mais opressivas”.

Outro site que não publica nota, o The Verge se alinha com seus concorrentes na opinião sobre o tom pesado da aventura da Naughty Dog.

“The Last of Us Part II não é divertido”, escreve o avaliador do site. “Durante o tempo de execução de 20 horas do jogo, muitas vezes me vi querendo parar porque a violência se tornou insuportável. Eu não queria bater naquele cachorro com um martelo ou cortar a mulher indefesa com uma faca. Eu certamente não queria ver a cabeça de um fanático religioso explodir em uma nuvem horrível por causa da minha bem posicionada espingarda. Há cenas tão perturbadoras que elas não me deixaram desconfortável; eles me fizeram questionar por que eu estava jogando esse jogo”.

“Ainda assim, estou feliz por ter conseguido – porque esses momentos sombrios e perturbadores são o que tornam The Last of Us Part II tão poderoso. Não é apenas um jogo sobre violência. É um que lida com o impacto dessa violência e mostra aos jogadores as consequências”.

“Jogar The Last of Us Part II é uma reminiscência de Uncharted 4: A Thief’s End. Ambos os jogos são versões essencialmente mais robustas e refinadas de seus antecessores, e o TLOU2 toma emprestado livremente da aventura final de Nathan Drake, dos níveis abertos, mas lineares, à combinação de tiros e furtividade. Até a maneira como você pega os objetos e os vira nas mãos é idêntica. A diferença é o tom. Embora estrutural e mecanicamente semelhantes, os dois jogos diferem em termos de como eles fazem você se sentir. Uncharted 4 é uma aventura ensolarada e alegre com a ocasional mudança emocional. TLOU2 é sua antítese: sombria e opressiva, com apenas raros e breves momentos de esperança”.

Também no grupo sem nota, mas mais crítico ao jogo, o Kotaku publicou em sua resenha:

“Minha experiência com The Last of Us 2 foi terrível de experimentar. Ao longo das minhas 27 horas de jogo, ela cresceu a ponto de parecer quase insuportável. Isso não foi porque me fez perguntas difíceis sobre minha própria capacidade de dano ou vingança, ou provocou algumas moralizações de Spec Ops: The Line no estilo de violência em videogames. Apesar das prometidas ‘questões filosóficas’ de [Neil] Druckmann [diretor do jogo], nunca senti que o jogo me perguntasse alguma coisa. Em vez disso, ele me dizia ‘brutalidade’, repetidamente e mais alto, até que no final eu não conseguia ouvir o que estava tentando dizer”.

“O The Last of Us original contava uma história que parecia pequena e humana, enquanto o segundo conta uma de vingança que consume tudo”, lamentou o avaliador.

“Não aprendi nada sobre o que significa ser humano, ou sobre o que somos capazes quando somos feridos, ou o que pode acontecer quando queremos ferir outras pessoas. A maneira como Joel machucou Ellie em The Last of Us parecia relacionável comigo; mesmo que o destino da humanidade nunca esteja em jogo, sei como é fazer uma escolha desesperada e egoísta de se apegar a algo que você ama. A quantidade de crueldade e violência de Last of Us 2 acabou com qualquer chance de relacionabilidade aqui. Eu não achei isso exagerado – o jogo não gosta de mortes sangrentas ou sofrimento emocional. Apenas aproveita todas as oportunidades para mostrá-las repetidas vezes e decide que isso serve para dizer algo sobre elas. Isso me mostrou tanta feiúra, e com tanto detalhe, que me senti entorpecido porque coisas terríveis aconteciam com mais personagens com os quais me importava”.

Já o site Gamespot deu uma nota, 8/10, mas não mudou o sentimento ambíguo.

“Quando terminei The Last of Us Part II, eu não tinha certeza se gostei”, escreveu a autora da resenha. “É um jogo difícil de engolir, em parte porque muito do que Ellie é e o que ela faz está além do seu controle. Ela é profundamente complicada e falha, e seu egoísmo machuca muitas pessoas. Às vezes, a dor que você causa parece tão sem sentido que pode deixá-lo entorpecido. É tudo confuso e sombrio e me deixou profundamente triste por inúmeras razões, mas quanto mais eu reflito sobre isso, mais aprecio a história e os personagens em seu núcleo. Eu queria que quase nada disso acontecesse, e é isso que é bonito e devastador”.

Mais entusiasmado, mas ainda também incomodado com o conto de vingança da Naughty Dog, o EGM escreveu:

“Mecanicamente, tecnicamente e, sim, mesmo narrativamente, The Last of Us Part II é uma conquista espetacular. Duvido que jogue algo melhor este ano. Uma parte de mim se pergunta seriamente se já joguei algo melhor. Diz muito sobre a qualidade excepcional da experiência que todas as minhas queixas são insignificantes – o enredo depende um pouco demais da coincidência, alguns pontos de não retorno são mal sinalizados, o sistema de saves é indesculpável de tão desajeitado para re-jogar capítulos – ou discordâncias quase de alto nível, quase filosóficas”.

The Last of Us Part II mereceu a nota máxima, 5/5, para o avaliador da EGM.

Outros dois que ficaram mais entusiasmado que incomodados foram o Games Radar e o Game Informer.

“The Last of Us Part 2 não apenas justifica sua existência como uma sequência que a maioria não achava necessária, complementando e elevando as qualidades atemporais de seu antecessor, mas se destaca confiantemente como um animal inteiramente diferente, com suas próprias presas que mordem com tanta força. A conquista duradoura não é nada menos que extraordinária, e é um jogo para o qual estaremos olhando pelas próximas décadas”, concluiu o avaliador do Games Radar, dando a mesma nota 5/5.

“Eu posso elogiar a atenção aos detalhes, ao mundo e ao combate, mas a história é onde The Last of Us Part II define um novo padrão. É mais uma questão de desafiar seu coração do que seus reflexos, e eu simplesmente não posso recomendá-lo o suficiente. Há muito o que dizer sobre este jogo que não pode ser dito aqui devido a spoilers, mas você deve jogá-lo o mais rápido possível com o mínimo de informações possível. Mas você não precisa saber detalhes específicos para avaliar como a jogabilidade e as dicas ambientais funcionam em um único objetivo: elas fazem você sentir as escolhas, o desamparo e a violência no coração deste mundo e de seus personagens. Posso dizer com segurança que este é o melhor jogo narrativo que já joguei. Eu senti a perda. Eu senti a confusão. É um jogo que me virou do avesso com cada giro do parafuso”, escreveu o avaliador da revista Game Informer, antes de encerrar com a nota máxima, 10/10.

The Last of Us Part II sai no dia 19 de julho para o PlayStation 4. Veja algumas notas já publicadas:

VGC (5/5)
Eurogamer (selo Essencial)
GamesRadar (5/5)
Gamespot (8/10)
USgamer (4.5/5)
Game Informer (10/10)
VG247 (5/5)
The Guardian (5/5)
IGN (10/10)
Venturebeat (95/100)
Telegraph (5/5)
PushSquare (10/10)
Wccftech (9.5/10)
Daily Star (5/5)
The Sixth Axis (10/10)
Digital Spy (4/5)
Gaming Bible (7/10)

O post Violência incomoda e The Last of Us Part II não é unanimidade nas primeiras análises apareceu primeiro em Outer Space.

Últimas