R7 Meu Estilo Mulheres compartilham suas experiências de aborto na tentativa de acabar com o estigma

Mulheres compartilham suas experiências de aborto na tentativa de acabar com o estigma

Movimento ganhou força no Twitter e é um dos temas mais comentados do mundo

Mulheres compartilham suas experiências de aborto na tentativa de acabar com o estigma

Mulheres estão usando o Twitter para defender o direito ao aborto

Mulheres estão usando o Twitter para defender o direito ao aborto

Reprodução/Twitter

Milhares de mulheres em todo o mundo usaram o Twitter para compartilhar suas experiências de aborto, com o objetivo de combater o estigma que ronda o procedimento. Ativistas como Amelia Bonow e Kimberly Morrison começaram a usar hasttag "#ShoutYourAbortion"  (divulgue seu aborto) durante o fim de semana e a frase explodiu em todo o mundo, chegando aos trending topics mundiais. Mais de 60 mil mulheres, até o momento, já explicaram sua decisão de fazer um aborto. 

Amelia Bonow foi a primeira a postar um depoimento no Facebook, desencadeando o movimento. As ativistas foram motivadas a iniciar a campanha depois que a Câmara dos Deputados dos EUA votou uma medida controversa para remover financiamento federal para a Planned Parenthood (uma instituição médica que oferece métodos contraceptivos gratuitamente).

Ao BuzzFeed, Amelia disse que fez sua postagem pois ela garante ter tido uma "experiência incrivelmente positiva" de aborto e para posicionar-se contra o fim do financiamento ao Planned Parenthood.

— Quis mostrar a outras mulheres o que eu sinto e lembrar que o nosso silêncio penetrante indica que o estigma ganhou.

Amelia Bonow é uma das ativistas que encabeçam a campanha

Amelia Bonow é uma das ativistas que encabeçam a campanha

Reprodução/Facebook

A campanha ganhou a adesão de mulheres que relatam suas experiências, e as histórias vão desde garotas abusadas que fizeram aborto até jovens que passaram pelo procedimento quando adolescentes, mas que foram mães mais tarde. Há ainda mulheres que simplesmente admitem que fizeram aborto e defendem que este é uma decisão que só diz respeito a elas e a mais ninguém. 

Mais de 60 mil mulheres aderiram à campanha

Mais de 60 mil mulheres aderiram à campanha

Reprodução/Twitter