Estúdio preferido dos sertanejos pega fogo no centro de São Paulo

Gravodisc, localizado na rua General Osório, abrigou também gravações de músicos de forró e até de Adoniran e Elis Regina

Sede da Gravodisc pega fogo um dia após o Natal

Sede da Gravodisc pega fogo um dia após o Natal

WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

No início da tarde de quinta-feira (26), um incêndio atingiu a sede da Gravodisc no centro de São Paulo.

Segundo comunicado publicado pelo próprio estúdio nas redes sociais, as dependências do local foram atingidos pelas chamas, mas ainda não há informações adicionais sobre os estragos.

A Gravodisc é um dos mais antigos e importantes estúdios de São Paulo. Fundado em 1960 com a proposta de dar suporte para gravações de orquestras e trilhas para publicidade, passou por diversas mudanças de perfil que acompanharam também a evolução do mercado musical brasileiro.

Em 1972, o espaço foi comprado pela Gravadora Continental e recebeu artistas como Elis Regina, Adoniran Barbosa e João Carlos Martins, que registrou músicas em um piano de 1926 que existia no local.

Péricles e Leo Magalhães na sede da Gravodisc

Péricles e Leo Magalhães na sede da Gravodisc

Divulgação

23 anos depois, a Warner Music adquiriu a Gravodisc, mas ficou com o estúdio apenas até 1998, quando ele passou para as mãos dos atuais donos: Elcio Alvarez Pintan Filho, Aquilino Simões Filho e Cristiane Feris.

Nos últimos 21 anos, a Gravodisc se tornou em um dos estúdios mais requisitados pelos sertanejos e forrozeiros. Gravaram por lá Leonardo, Rick e Renner, Daniel, Leo Magalhães, Sergio Reis, Wesley Safadão, Roberta Miranda, Chitãozinho e Xororó, Dominguinhos e Péricles.