Novo Coronavírus

Música Festival de música se inspira em modelo holandês e 'isola' público

Festival de música se inspira em modelo holandês e 'isola' público

Charles Tanqueray Festival apostou nos 'casulos' criados em restaurantes da Holanda por conta da pandemia de covid-19; confira a programação

  • Música | Gabriela Piva, do R7*

Festival de SP se inspirou em modelo sanitário europeu

Festival de SP se inspirou em modelo sanitário europeu

Divulgação

A reabertura de cinemas, bares e restaurantes após a diminuição de casos da covid-19 no Brasil estimulou a retomada de outras atividades de entretenimento no país: os festivais de música. A indústria de shows foi a primeira a parar devido ao isolamento social, que teve início em março deste ano, e, aos poucos começa a voltar.

Apesar disso, os eventos ainda se deparam com uma série de restrições e desafios. Pelo menos, foi o que disse Paula Costa, vice-presidente de marketing da Diageo e responsável pelo Charles Tanqueray Festival. Ela precisou se preparar para realizar a festa entre os dias 28 de outubro e 8 de novembro na BR Arena Estaiada, em São Paulo. 

Por conta da pandemia, Paula contou ao R7 que ela e a equipe encontraram uma solução inspirada em restaurantes da Holanda e resolveram criar "cápsulas" para isolar as pessoas e, assim, curtir o festival com segurança. As chamadas "greenhouses" acoplam, no máximo, seis pessoas por turnos de até duas horas, espalhados entre os horários do evento, que podem ser selecionados durante a aquisição online dos ingressos. Os locais recebem higienização entre as mudanças de grupos.

'Casulos' são higienizados após uso

'Casulos' são higienizados após uso

Reprodução/Instagram

"Pensamos em fazer uma coisa exclusiva, controlada, que simula algumas experiências de restaurantes do exterior. Para nós, veio de inspiração o que alguns restaurantes estavam fazendo, inclusive, na Holanda, que era criar essas cápsulas para as pessoas terem uma experiência super protegida", explicou Paula. "Nesse formato, a gente criou o que chamamos de estufas e 'greenhouses'", completou.

Outras soluções que a vice-presidente de marketing da Diageo encontrou foram as utilizações de tapetes sanitantes de sapatos na entrada das cápsulas, além da disponibilização de álcool gel para o público. A medição de temperatura e entrega de máscaras individuais também são feitas.

"A higienização é completa e absoluta depois da saída das 'cápsulas'; os materiais utilizados são super higienizados", garantiu Paula. "A gente, como empresa que quer fomentar uma retomada dos bares e restaurantes, quer promover uma experiência que segue com todos os protocolos de segurança porque, assim, acreditamos que um evento seja factível", completou a vice-presidente.

Dificuldades e orçamento

Após o primeiro dia de evento, Paula fez um balanço e disse que a maior dificuldade foi controlar a saída das pessoas dos locais privativos. Contudo, por receberem, no máximo, 50 pessoas por sessão, a vice-presidente afirmou que conseguiu contornar a situação.

"Foi super tranquilo, justamente, por termos um número administrável de pessoas. Acho que a única dificuldade foi quando as pessoas começaram a se animar um pouco, porque elas começaram a esquecer da regrinha [de que não deve sair das 'cápsulas'], mas, gentilmente, damos um toque para elas voltarem para a 'greenhouse'", relatou.

Ao ser questionada sobre o orçamento desta edição em comparação com a que aconteceu em 2019, a executiva disse que eles não terão lucros com o evento de 2020.

"A questão do ingresso, para você ter uma ideia, é muito simbólica. Não cobre de forma nenhuma os custos do evento. Para nós, o evento é muito mais uma ação de marca, que estamos investindo, do que algo que estamos lucrando. De jeito nenhum. Não tem lucro", entregou. "De uma forma geral, é um ótimo investimento para trazer a vanguarda da marca", completou.

Mahmundi se apresentou no 1º dia

Mahmundi se apresentou no 1º dia

Reprodução/Instagram

A curadoria musical ficou por conta do Queremos Festival, que apostou em um mix de bandas e DJs. A cantora Mahmundi, por exemplo, tocou no primeiro dia do evento.

"Depois de sete meses, um showzinho; bonzão ver vocês de novo", comemorou a artista nas redes sociais, antes de subir ao palco.

Programação musical

O R7 recebeu a programação musical do evento com exclusividade. Além de Mahmundi, DJ Nyack, Mauricio Fleury Trio, DJ Tamenpi e Mary G são atrações confirmadas no Charles Tanqueray Festival.

DJ Tamenpi, que tocou no primeiro dia do festival, contou para o R7 qual foi a sensação de voltar aos palcos depois de sete meses parado devido à pandemia.

"Retornar dessa forma não poderia ser melhor", contou DJ Tamenpi, que tocou na estreia do festival. "Confesso que estou meio receoso com esse retorno, mas realmente existe uma preocupação de toda a produção em relação ao momento em que estamos vivendo", completou o músico.

Programação musical do festival, em São Paulo, até o 1º dia de novembro

Programação musical do festival, em São Paulo, até o 1º dia de novembro

Divulgação/Diageo

Na próxima quarta-feira (6), Temenperi e Mauricio Fleury ficam responsáveis pela musicalidade no local. Já na quinta-feira (7), Mary G, Tamenperi e Nyack também comandam os palcos. Na sexta-feira (8), Nyack e Tamenperi retornam ao local. A assessoria do festival garantiu que o evento não ficará sem música.

Com 80% dos ingressos vendidos, ainda há horários disponíveis para a próxima semana do festival. O preço dos tickets varia de R$ 50 e R$ 66 por pessoa. Já o pacote para os seis dias do evento custa R$ 400.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Camila Juliotti

Últimas