Funarte lança edital de apoio à música mas proíbe “bandas de rock”

Edital também proíbe "conjuntos musicais de instituições religiosas"

Dante Mantovani (Funarte) e Rock and Roll

Dante Mantovani (Funarte) e Rock and Roll

Tenho Mais Discos Que Amigos
Fotos via Reprodução/Shutterstock A Funarte acaba de divulgar um edital para o chamado Prêmio de Apoio a Bandas de Música 2020, focado na distribuição gratuita de instrumentos de sopro. Prometendo 790 peças para 'ampliação e reposição' do instrumental de 158 conjuntos musicais, a iniciativa tem alguns poréns. Um dos que mais está chamando atenção, no entanto, é a restrição para 'bandas de rock' e até para 'conjuntos musicais de instituições religiosas'. Conforme informou o site oficial: Não poderão participar do processo seletivo [...] 'fanfarras' ou 'bandas marciais' ligadas ou não a instituições do ensino regular público ou privado, 'bandas de pífanos', 'bandas de rock', 'big-bands', bem como conjuntos musicais assemelhados, conjuntos musicais de instituições religiosas, bandas militares e bandas de instituições de segurança pública. No regulamento não está descrito o que caracterizaria uma 'banda de Rock', mas existe a descrição dos instrumentos que serão disponibilizados: Cada proponente poderá escolher até cinco instrumentos, entre: um bombardino em Sib, um bombardão tuba ¾ em Sib, um clarineta 17 chaves em Sib, um saxofone alto em Mib, um saxofone tenor em Sib, um trompete em Sib, um trombone de vara em Sib, uma flauta transversa em Dó e uma trompa cromática em Fá/Sib. Pelo jeito não vai ser dessa vez que teremos a ascensão do Ska/Punk no Brasil. Funarte e o Rock O comportamento não é novidade para essa gestão da Funarte. No ano passado, ao assumir a pasta, um vídeo do maestro Dante Mantovani veio à tona com a sua opinião de que o “Rock ativa aborto, satanismo e drogas'. Ele ainda ligou vários ícones da música e o Rock And Roll a movimentos de esquerda, como o comunismo, e disse que Elvis Presley era um “experimento soviético para destruir a juventude, a moral e as famílias”. Apesar disso, elogiou nomes como os brasileiros do Angra. O baixista Felipe Andreoli revelou ter sentido 'vergonha' da associação. Você pode ver mais informações sobre o prêmio, que custará R$5.475.050,20 aos cofres públicos, por aqui. Inscrições são feitas pelo mesmo link.