Vagalume Biógrafo de Bob Dylan diz que, pela linha do tempo, ele não teria como ter abusado de criança

Biógrafo de Bob Dylan diz que, pela linha do tempo, ele não teria como ter abusado de criança

Mulher que diz ter sido abusada sexualmente aos 12 anos pelo artista, em 1965, abriu processo contra o músico

Vagalume
Vagalume

Vagalume

Vagalume

Um dos maiores biógrafos de Bob Dylan, o inglês Clinton Heylin, disse que a linha do tempo do cantor em 1965 torna altamente improvável a veracidade das acusações de que ele teria abusado sexualmente de uma criança de 12 anos naquele ano. O cantor, que tinha 24 anos na época, está sendo processado por uma mulher que busca reparações pelos danos mentais e psicológicos que, diz ela, o ato lhe causou.

Heylin já escreveu nada menos que oito livros sobre Dylan e, no momento prepara aquela que promete ser a biografia definitiva do músico - ele decidiu voltar ao assunto depois que a George Kaiser Family Foundation, em Tulsa, se tornou a guardiã de mais de seis mil documentos pessoais do artista. O primeiro volume, cobrindo a vida e obra dele até 1966 já saiu no exterior.

De acordo com o biógrafo, a linha do tempo que a acusadora, atualmente com 68 anos, colocou no processo não é compatível com os fatos registrados. Ele lembra que, durante aquele período de 1965 ele excursionou pela Inglaterra e também passou duas semanas em Los Angeles, e mais um ou dois dias na cidade de Woodstock.

Vagalume

Vagalume

Vagalume

O giro durou 10 dias, mas ele foi para Londres em 26 de abril e retornou para Nova Iorque em 3 de junho, conta. "Se ele ficou na cidade no meio de abril, não foi por mais de um ou dois dias. Era em Woodstock onde Dylan ficava quando não estava em turnê."

A mulher que busca a reparação, de quem se conhece apenas as inicias, J. C., diz que o abuso aconteceu no Chelsea Hotel, outra informação que Heylin diz não condizer com os fatos. O autor fala que Dylan passava suas temporadas em Nova Iorque na casa de seu empresário Albert Grossman e não no hotel.

1965 também foi o ano em que o famoso documentário sobre o compositor, "Dont Look Back" (1967) foi registrado. Ou seja, durante aqueles meses ele estava sendo seguido por câmeras por longos períodos.

J.C. alega, no processo, que Dylan a seduziu por um período de seis semanas, e que lhe deu drogas e bebidas alcóolicas, antes de consumar o abuso.

Fonte: Vagalume

Últimas