Kanye West afirma que vai concorrer à presidência dos EUA

Rapper fez o anúncio em sua rede social, no último sábado (4)

Vagalume

Vagalume

Vagalume

Kanye West voltou a anunciar que pretende concorrer à presidência dos EUA em 2020. O rapper aproveitou a comemoração do dia da independência do país, no último sábado (4), para fazer uma publicação em sua rede social anunciando a futura candidatura.

"Agora devemos cumprir a promessa da América confiando em Deus, unificando nossa visão e construindo nosso futuro. Estou concorrendo à presidência dos Estados Unidos", escreveu ele, acrescentando a hashtag "2020 Vision".

Clique para ver no Vagalume

O músico, no entanto, não parece ter se filiado a nenhum partido até o momento. De acordo com a CNN, Kanye West ainda precisa registrar seu nome na Comissão Eleitoral Federal, apresentar uma plataforma de campanha e coletar assinaturas suficientes para ser candidato em novembro, entre outros detalhes. O periódico também acrescenta que ele já perdeu o prazo para concorrer como um candidato independente em alguns estados do país.

West falou, pela primeira vez, sobre sua intenção de concorrer um dia à presidência dos EUA durante seu discurso no VMA de 2015. O rapper, inclusive, é um grande apoiador do presidente Donald Trump e já fez fotos vestindo o famoso boné vermelho, escrito "Make America Great Again" ("Torne os EUA grandioso novamente").

Vagalume

Vagalume

Vagalume


E para a candidatura, o músico também parece ter conseguido um aliado de peso. O CEO da Tesla, Elon Musk, comentou a publicação expressando seu total apoio à candidatura do rapper.

Clique para ver no Vagalume

Kanye West também está divulgando seu próximo álbum, "God's Country". O cantor, que apoiou publicamente o movimento Black Lives Matter, lançou recentemente o single "Wash Us In The Blood (Feat. Travis Scott)", com um clipe mostrando os protestos contra a violência policial no país. Ainda segundo a CNN, West também chegou a doar, em junho, 2 milhões de dólares às famílias de George Floyd, Ahmaud Arbery e Breonna Taylor, cujas mortes (pelas mãos de policiais) deram inicio às manifestações nos EUA.

Fonte: Vagalume