Ouça cinco discos fundamentais que completam 50 anos em 2020!

Cinco décadas marcando vidas

Vagalume

Vagalume

Vagalume

Há 50 anos, o mundo do rock, e da música pop em geral, experimentava um momento de grandes mudanças. Os Beatles, muito em breve, anunciariam a sua dissolução e novos sons começavam a despontar. Em breve também, o rock se transformaria de vez em grande indústria, com mega-shows, vendas inimagináveis e muito dinheiro circulando no meio.

O rock pesado, o progressivo, o glam rock e o reggae também já iam se infiltrando no mainstream, assim como a música dos cantores e compositores (Neil Young e James Taylor foram dois que lançaram álbuns fundamentais em 1970). O ano ainda foi marcado pelo segundo (e último) disco dos Stooges ("Fun House") e também por "Loaded", o derradeiro de Lou Reed com o Velvet Underground, ambos muito ouvidos pelos jovens que anos depois mudariam tudo com o punk rock.

Ou seja, muita coisa que rolou naqueles 12 meses iria repercutir (e seguir repercutindo por décadas a fio) no mundo da música. Veja abaixo cinco discos que completam 50 anos em 2020 e marcaram época.

Creedence Clearwater Revival - "Cosmo's Factory"

Vagalume

Vagalume

Vagalume

Difícil achar uma banda que tenha ralado tanto em tão pouco tempo quanto o Creedence e seu líder John Fogerty. Este foi o quinto disco deles em pouco mais de dois anos, e mais um ainda sairia pouco depois, "Pendulum", que chegou às lojas em dezembro.

Esse ritmo frenético ajuda a explicar a presença de quatro covers e duas canções beeeem longas no álbum, afinal era preciso mais de 20 minutos de música por lado de vinil. Por outro lado, John Fogerty seguia com um enorme talento para compor singles de grande força e imediatismo. Esse aqui tem "Travelin' Band", "Lookin' Out My Back Door", "Run Through The Jungle", "Up Around the Bend" e a obra-prima "Long As I Can See The Light".

Clique para ver no Vagalume

John Lennon - "John Lennon/Plastic Ono Band"
Vagalume

Vagalume

Vagalume


O último ano em que os Beatles estiveram (mais ou menos) juntos foi marcado por uma série de lançamentos. Primeiro foi Ringo Starr, que lançou o discreto "Sentimental Journey" em março. Em abril, foi a vez de Paul McCartney lançar sua estreia solo, o caseiro "McCartney". Foi também promovendo esse disco que o baixista anunciou que a banda havia de fato acabado, através de uma entrevista enviada como release para a imprensa.

Em maio, chegava ao mercado "Let It Be", o derradeiro álbum dos Beatles, com gravações feitas dois anos antes. Meses depois, em novembro, quem lançou seu álbum (um disco triplo!) foi George Harrison, e o fundamental "All Things Must Pass", mas talvez o melhor entre todos esses lançamentos tenha sido mesmo o de John Lennon.

"Plastic Ono Band" saiu em dezembro e trazia o músico se abrindo em letras diretas que vinham acompanhadas de arranjos básicos - ele e Yoko Ono estavam se submetendo a um doloroso tratamento psicológico. Curiosamente, a produção foi feita por Phil Spector, criador de "sinfonias juvenis" no início dos anos 60, como "Be My Baby", das Ronettes, e responsável por ter adicionado instrumentos de corda e outros truques sonoros nas canções de "Let It Be" (McCartney nunca o perdoou pelo arranjo de "The Long And Winding Road").

O disco não gerou grandes sucessos, ainda que "Mother", "Love" e, principalmente, "Working Class Hero" sejam bem conhecidas e não só pelos fãs de carteirinha. Apesar das vendas relativamente modestas, ele se tornou um clássico imediato e é daqueles discos de cabeceira de todo cantor e compositor de veia confessional que se preze. Foi daqui também que saiu a polêmica "God", aquela em que Lennon dizia que não acreditava nos Beatles e que o sonho havia acabado.

Clique para ver no Vagalume

Simon And Garfunkel - "Bridge Over Troubled Water" - 1970
Vagalume

Vagalume

Vagalume

O quinto, e último, álbum da dupla, se tornou um disco extremamente marcante e bem sucedido. Ele chegou ao número 1 em diversos países e ganhou oito discos de platina nos EUA e dez no Reino Unido.

Paul Simon estava no ápice como compositor, em um trabalho que tinha, além da imortal faixa-título, "The Boxer", "Cecilia" e "El Condor Pasa", além das menos festejadas, mas igualmente brilhantes, "The Only Living Boy In New York"e "Keep The Customer Satisfied".

Infelizmente as tensões entre Simon e Art Garfunkel haviam atingido um ponto em que ficou difícil para os dois seguirem juntos, e eles partiram para suas carreiras solo.

Clique para ver no Vagalume

Black Sabbath - "Paranoid" - 1970
Vagalume

Vagalume

Vagalume

1970 foi também um ano de ouro para o rock pesado, com o Led Zepellin mostrando que era possível conciliar o som heavy com folk e baladas, e o Deep Purple com o monolítico "In Rock". Mas não se pode falar de heavy metal sem o Black Sabbath, ainda mais quando ele chega em dose dupla.

Sim, porque os dois primeiros álbuns da banda saíram há 50 anos. A estreia homônima gravada em um só dia, chegou às lojas em fevereiro e trazia uma espécie de bê a bá do metal, com os riffs marcantes, as letras com temas ocultistas e a capa assustadora. Mas eles atingiram o ápice no disco seguinte.

"Paranoid" é forte concorrente não só a melhor disco do Sabbath como de toda história do hard rock. Além das pedras fundamentais "War Pigs", "Paranoid" e "Iron Man", o disco ainda vinha recheado de outras bos canções, caso da balada psicodélica "Planet Caravan" e das épicas "Hand Of Doom" e "Fairies Wear Boots". O Sabbath ainda lançaria outros discos tão bons quanto este ("Master of Reality", "Vol. 4", "Sabbath Bloody Sabbath"...), mas não melhor.

Clique para ver no Vagalume

Mutantes - "A Divina Comédia Ou Ando Meio Desligado"
Vagalume

Vagalume

Vagalume

O terceiro disco da banda, uma das melhores, se não a melhor, já surgida no Brasil, é para muitos fãs e especialistas o seu grande momento. Ainda que um pouco menos celebrado que a estreia de 1968, esse aqui já os traz como autores de quase todo material e também mostra as várias facetas do trio. Há o pop iluminado de "Ando Meio Desligado", "Desculpe, babe" e "Hey Boy", o bom humor de "Quem Tem Medo de Brincar de Amor?", além da mistura de rock e regionalismo de "Jogo de Calçada", que começa como um baião elétrico e descamba na psicodelia pesada, a brincadeira com "Chão de Estrelas", imortalizada na voz de Silvio Caldas, a "proto-heavy" "Oh! Mulher Infiel" e a poderosa "Ave, Lucifer" (que mostrava que o interesse pelo mundo do oculto não era exclusividade dos roqueiros ingleses).

O ano de 1970 foi marcado ainda por pelo menos mais dois discos históricos da música brasileira: "Força Bruta", de Jorge Ben (nessa época ainda sem o "Jor"), e a monumental estreia de Tim Maia. Ou seja, um trio de álbuns que ainda hoje seguem atuais e influentes.

Clique para ver no Vagalume

Fonte: Vagalume