Pop Empresa de helicóptero do acidente de Kobe não era certificada para voar com pouca visibilidade, diz mídia

Empresa de helicóptero do acidente de Kobe não era certificada para voar com pouca visibilidade, diz mídia

Reuters

(Reuters) - A empresa de voos fretados cujo helicóptero caiu e matou o astro do basquete Kobe Bryant, sua filha e outras sete pessoas no domingo não tinha certificação para voar em condições que exigem que os pilotos voem usando apenas instrumentos, segundo informações da mídia norte-americana.

A Island Express Helicopters, dona do Sikorsky S-76B que caiu, só foi certificada para operar sob regras visuais de voo, o que significa que os pilotos precisam ver claramente fora da aeronave durante o dia, disse Kurt Deetz, piloto e ex-gerente de segurança da empresa, ao New York Times.

No entanto, a aeronave é equipada para voar por instrumentos, segundo a reportagem.

O piloto do helicóptero, Ara Zobayan, tinha licença para voar por instrumentos, provavelmente tinha pouca experiência em fazê-lo, dadas as limitações operacionais da empresa, disse Deetz à Forbes separadamente.

O helicóptero bimotor bateu em uma encosta em Calabasas, na Califórnia, em meio a nuvens e neblina que limitavam a visibilidade.

Os controladores de tráfego aéreo deram a Zobayan "regras especiais de voo visual", ou autorização para voar no clima que não era o ideal em torno do aeroporto de Burbank.

O piloto informou que a visibilidade era suficiente para o voo visual, disse o Times, acrescentando que o tempo parece ter piorado durante o voo.

Em comunicado, a Island Express Helicopters informou que estava suspendendo todos os serviços.

"O choque do acidente afetou todos os funcionários, e a gerência decidiu que o serviço seria suspenso até o momento que fosse considerado adequado para funcionários e clientes", afirmou a empresa.

A morte de Kobe Bryant, de 41 anos, um dos atletas mais admirados do mundo, provocou comoção no mundo dos esportes e do entretenimento.

(Reportagem de Shubham Kalia, em Bengaluru)

Últimas