Pop Evandro Fióti é vítima de racismo na São Paulo Fashion Week

Evandro Fióti é vítima de racismo na São Paulo Fashion Week

Seguranças impediram o rapper e estilista de entrar no evento 

Evandro Fióti é vítima de racismo na São Paulo Fashion Week

Reprodução/Facebook

O rapper e estilista Evandro Fióti foi vítima de racismo na São Paulo Fashion Week (SPFW). O caso aconteceu na última terça-feira (29) durante o desfile da LAB - Laboratório Fantasma, marca na qual ele é dono ao lado do irmão, o cantor Emicida.

Segundo Fióti, ele foi barrado por seguranças ao tentar entrar no evento, mesmo estando credenciado e com pulseira de identificação. Nas redes sociais, ele desabafou sobre o ocorrido.

— Ser preto é ser barrado pelo segurança do evento até mesmo quando é da sua marca e com pulseira...

Os fãs e internautas se solidarizaram com o rapper e sua publicação já tem quase 3 mil curtidas e mais de 200 compartilhamentos.

Procurado pelo R7, Fióti preferiu não se manifestar. Por meio de comunicado oficial, a assessoria de imprensa do rapper disse que ele só foi liberado após o segurança contatar seus superiores. A organização da SPFW, por sua vez, tomou medidas de repreensão de conduta.

Leia o comunicado na íntegra:

Desde que a LAB fez sua estreia na SPFW, principal evento de moda da América Latina, há três temporadas, vem reforçando a importância da representatividade e levando a rua para as passarelas, diversificando o casting de forma muito natural.

Na última terça-feira (29), a LAB apresentou mais uma coleção em seu desfile e, no momento em que Fióti, um dos fundadores da marca, foi deixar a Bienal para se juntar à sua equipe, foi barrado por um dos seguranças mesmo mostrando sua pulseira de livre acesso e argumentando que era sócio de uma das marcas que havia desfilado. O músico só conseguiu a liberação após o segurança contatar seus superiores.

O ocorrido ressalta a realidade do racismo ainda existente na sociedade brasileira e reforça ainda mais a necessidade da participação de marcas como a LAB em eventos de grande repercussão e da inclusão de pessoas que realmente representam a população brasileira em lugares de destaque.

Em nota oficial, a SPFW apoia o músico e reforça estar integralmente ao lado de Fióti, acreditando que a divulgação deste fato contribui na luta contra atitudes que infelizmente ainda fazem parte do dia a dia da nossa sociedade. De acordo com a organização do evento, as medidas de repreensão de conduta já foram tomadas junto a empresa responsável pela segurança do evento. “São mais de dez mil pessoas trabalhando direta e indiretamente no evento, que sempre defendeu e trabalha pela diversidade em todos os níveis", acrescenta a organização.

Nesta sexta-feira (1), a organização da SPFW divulgou um vídeo em que Fioti e Paulo Borges, idealizador e diretor criativo do evento, esclarecem a situação. Confira: