Harvey Weinstein fracassa em tentativa de descartar acusações de agressão sexual

Por Jonathan Stempel

NOVA YORK (Reuters) - Um juiz de Nova York negou pedido de Harvey Weinstein para rejeitar duas acusações de agressão sexual, antes do julgamento do ex-produtor de Hollywood em janeiro.

A decisão divulgada nesta quarta-feira pelo juiz James Burke, da Suprema Corte em Manhattan, é uma vitória para os promotores que acusam Weinstein de cinco crimes sexuais, incluindo estupro.

Os advogados de Weinstein se recusaram a comentar em um email enviado ao seu escritório. Um porta-voz do procurador do distrito de Manhattan Cyrus Vance se recusou a comentar.

Weinstein, de 67 anos, se declarou inocente das acusações de conduta sexual imprópria contra duas acusadoras em 2006 e 2013.

Um julgamento está marcado para 6 de janeiro de 2020. Weinstein pode ser condenado à prisão perpétua.

Weinstein também negou alegações de cerca de 70 mulheres de má conduta sexual que datam de décadas, dizendo que foram contatos consensuais.

Ao se recusar a descartar as acusações predatórias de agressão sexual, Burke rejeitou a alegação de Weinstein de que um suposto estupro no inverno de 1993-94 ocorreu há muito tempo para servir como crime "agravante" e "subjacente", conforme exigido pela lei estadual.