Biel

Pop Testemunha revela como repórter reagiu a assédio de Biel: "Ela claramente estava sem graça e sem reação"

Testemunha revela como repórter reagiu a assédio de Biel: "Ela claramente estava sem graça e sem reação"

Allan Correia vai prestar depoimento essa semana na Delegacia da Mulher

  • Pop | Felipe Gladiador, do R7

Reprodução/ Instagram

O repórter Allan Correia, do site It Pop, é testemunha do caso de assédio sexual contra o cantor Biel. Ele presenciou o funkeiro dizendo, durante uma entrevista, que, se pegasse, quebraria ao meio uma repórter do portal IG. A garota, cuja identidade está protegida por determinação policial, registrou um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher de São Paulo. Em conversa com o Portal R7, Allan contou o que viu e como foi a reação da colega.

— Posso falar do que aconteceu durante o período em que estivemos os três juntos, na hora da minha entrevista. Estávamos eu e a repórter do IG na salinha de espera e o Biel apareceu para falar comigo. Eu tentei começar a entrevista logo porque tinha tempo cronometrado e já era tarde, mas ele insistia em conversar com a gente. Ele começou a se gabar de ser mais experiente que a gente, que estava ali como repórter, trabalhando, aí comentou da repórter e falou o "se eu te pego te quebro no meio". No calor do momento e na hora do nervosismo, fiquei meio em choque, dei uma risadinha e aí olhei para repórter, que ria de nervoso, tentando soltar alguma resposta, mas claramente estava sem graça e sem reação. O climão começou ali.

Allan, que vai prestar depoimento na Delegacia da Mulher nesta semana, disse que foi no momento que escutou a gravação da sua entrevista com Biel que percebeu a gravidade das coisas ditas pelo funkeiro.

— Assim que saí e fui reouvir o áudio do começo, percebi que ele desde o início passou dos limites com esse jeito dele. Um tanto invasivo.

Na entrevista ao It Pop, Biel fala que "Mulher, pra pegar homem, é só abrir as pernas, parceiro. É fácil!" e "Sou tarado por vagina" e Allan conta que, de cara, percebeu o tom "machista e prepotente" das respostas. 

— Quando o Biel começou a falar sobre a "mulher fácil" e todas aquelas coisas das aspas que o blog publicou, minha primeira reação foi de choque, porque por mais que ele tivesse falado aquilo em um primeiro momento, a entrevista caminhava pra um lado bom. Eu tenho algum contato com a militância feminista da faculdade e eu sabia que tudo aquilo que ele falava era bem problemático – machista, misógino, além de bem prepotente. Nessa hora eu até olhei pra essa colega do IG tentando ver o que ela achava daquilo tudo. E assim que cheguei em casa, mandei uma mensagem pra ela pra comentar, aí que ela me contou o que tinha acontecido na entrevista dela.

Entrevista machista
Diante do conteúdo machista, Guilherme Tintel, editor do It Pop, decidiu não publicar a entrevista com Biel. Em entrevista ao R7, ele explicou o porquê de sua decisão.

— Aqui no Brasil, é muito comum a gente ver pessoas preconceituosas conquistando um espaço maior a cada besteira que faz ou fala e, se tratando desse episódio, terminaríamos tornando isso apenas mais uma polêmica com o nome do menino, que nos daria vários acessos, com certeza, mas em nada acrescentaria quanto ao nosso conteúdo e, no fim, renderia atenção a ele e seu disco. Com todo o teor machista das suas declarações, bem como a naturalidade com que ele conseguia reproduzir tudo isso, não tinha como ficar confortável promovendo o seu trabalho.

Depois do IG divulgar o caso de assédio sexual, Guilherme Tintel repensou e tornou pública a entrevista com Biel. Para evitar qualquer mal-entendido, o It Pop divulgou os áudios da conversa com o funkeiro e, em uma espécie de editorial, chamou a atenção para o momento que o Brasil vive em relação ao abuso de mulheres, especialmente após o estupro coletivo no Rio de Janeiro.

— Como eu disse no texto do blog, o contexto atual é completamente diferente. Se antes, essa entrevista não acrescentaria em nada ao nosso conteúdo, agora ela não só acrescenta, como também se torna uma evidência de que a repórter assediada não está aumentando a história ou descontextualizando as falas do cantor. Ele foi bastante machista em várias das suas declarações e foi nesse tom que manteve o diálogo desrespeitoso com a menina. A partir do momento que a denúncia se tornou pública, coloquei na cabeça que, se ele não assumisse o erro e se retratasse, eu teria que fazer a minha parte. Então o fiz. Ele e todos nós, homens, precisamos aprender a respeitar as mulheres e seus limites, não como uma gentileza ou algo a ser parabenizado, mas como um dever. Obrigação mesmo. E é com esse erro que eu espero que ele aprenda.

Por fim, o editor do site It Pop explicou à gravadora Warner sobre a decisão de não publicar a entrevista e lamentou o fato de um ídolo teen ter visões tão machistas.

— Desde que tomei ciência da entrevista e decidi que não iria publicá-la, tive algumas conversas com representantes da sua gravadora, apenas sinalizando que não iríamos promover o seu trabalho diante de tudo o que aconteceu e alertando-os de que era importante orientá-lo sobre essas declarações, já que uma hora elas viriam à tona e aconteceria justamente esse cenário que vemos agora. Nessas discussões, todos foram bastante atenciosos e, felizmente, respeitaram nosso posicionamento. Em tempos de intensas discussões sobre o feminismo e a violência contra a mulher no Brasil, ter um ídolo teen expressando visões tão fechadas é bizarro. E até dá certa desesperança em pensar que, infelizmente, visões como a dele sequer são exceções e por isso precisam ser repudiadas.

Veja o aúdio da conversa entre Biel e a jornalista

Fãs tentam defender Biel, mas são atropeladas por críticas

Últimas