Flavio Ricco Cabrini relembra coberturas difíceis e cita Senna: 'Estava abalado'

Cabrini relembra coberturas difíceis e cita Senna: 'Estava abalado'

Em entrevista para 'O Programa de Todos os Programas', o jornalista também falou das reportagens mais desafiadoras que fez

Cabrini foi o entrevistado de 'O Programa de Todos os Programas' desta quarta (18)

Cabrini foi o entrevistado de 'O Programa de Todos os Programas' desta quarta (18)

Reprodução/YouTube

Roberto Cabrini participou, nesta quarta-feira (18), de O Programa de Todos os Programas, apresentado por Dani Bavoso e Flavio Ricco, e falou sobre as reportagens mais desafiadoras que cobriu ao longo da carreira dele no jornalismo.

"Não existe nada mais desafiador do que coberturas de guerra. Eu cobri já seis grandes conflitos, guerra no Afeganistão; a ascensão no Taliban em tempos onde o risco era uma muito grande, a gente foi praticamente preso pelo Tabilan; a guerra no Iraque também, sob o domínio de Saddam Hussein e dos americanos, pude sentir as duas perspectivas diferentes. Uma cobertura de guerra mede em toda sua extensão sua essência como profissional, você tem que decidir se fica em um lugar seguro, mas vai perder o que está acontecendo. Ou se você aceita correr o risco para saber o que de fato está acontecendo", relatou.

Em outro momento do bate-papo, Cabrini relembrou coberturas difíceis emocionalmente falando e citou o anúncio da morte de Ayrton Senna.

"Eu tinha uma relação muito grande com ele, me abriu tantas portas... Era um amigo pessoal. E eu estava extremamente abalado, mas ao mesmo tempo falei: 'Sou um jornalista, existem pessoas que amam Ayrton Senna e que merecem que eu consiga manter o foco nas informações Por outro lado, é importante você demonstrar certa emoção, desde que não perca a capacidade de apuração, porque é uma maneira de demonstrar respeito, no caso do Senna, uma perda coletiva."

Assista à entrevista na íntegra

Últimas