Porta dos Fundos virou meu SBT e eu, o Silvio Santos, fala Porchat  

Fábio Porchat em entrevista ao "#Provoca"  do Marcelo Tas

Fábio Porchat em entrevista ao "#Provoca" do Marcelo Tas

Divulgação

Fábio Porchat será o convidado de Marcelo Tas no programa “#Provoca”, terça-feira próxima, na TV Cultura.

Entre outros assuntos, a liberdade de criação no “Porta dos Fundos”, limites do humor, a “lacração” da internet e a existência ou não de humoristas em países autoritários.

Dentre os vários questionamentos feitos por Tas, “você não larga a internet pela liberdade de produzir sem censura?”.

“Também. Na verdade, o ‘Porta dos Fundos’ virou o meu SBT. Eu sou o Silvio Santos do ‘Porta dos Fundos’. Então eu posso criar o que eu bem entender da minha cabeça. [...] Eu falo 'quero fazer um programa de viagem', o pessoal fala 'pode fazer'”, relata Porchat.

“Você acha que essa hiperatividade é uma forma de você evitar olhar pra dentro de você mesmo?”, prossegue Tas.

“Talvez. Eu faço análise. [...] Mas eu, por exemplo, não choro. Estou esperando alguém morrer pra eu chorar, pra dar uma soltada. A última vez que eu chorei eu tinha 18 anos. [...] Foi quando eu saí de São Paulo para vir pro Rio. E aí eu fui sair da casa da minha mãe, fui contar pra ela, ela chorou e eu chorei também. Ouvindo Roberto Carlos ao fundo.”

Sobre a questão se existe humor de esquerda e de direita, “eu acho que existe, porque hoje, no Brasil, tudo se politizou. Se cloroquina politizou e uma ema politizou, que dirá o humor. O que me incomoda no humor hoje é a ‘lacromédia’. Antes de ser engraçado é lucrativo”, opina Porchat.