Marca de esponja de aço é acusada de racismo após lançar 'Krespinha'

A marca Bombril está sendo acusada de ato racista após relançar esponja inox usada para limpeza pesada e com o nome de “Krespinha”

Campanha antiga e a atual Krespinha

Campanha antiga e a atual Krespinha

Reprodução

A tag #BombrilRacista se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter, nesta quarta-feira (17), após a marca divulgar o relançamento do produto Krespinha.

No site da Bombril, o anúncio, que não está mais no ar, dizia que a esponja inox é “perfeita para limpeza pesada”. “Remove sujeiras e gorduras de um jeito rápido e eficaz, sem esforço. Resistente e não enferruja.”

No Twitter, internautas  criticaram a conotação racista do produto ao associar um tipo de cabelo (crespo) a trabalhos domésticos, de “limpeza pesada”. Alguns ativistas famosos engrossam esse time que está protestando.

Os tuítes expressam um misto de raiva e indignação com esse relançamento em pleno 2020.

A esponja foi lançada pela primeira vez em 1952, e na propaganda estampava a imagem de uma menina negra no logo, personificando a esponja na figura da garota e de seu cabelo. “No Rio, todos me conhecem. Sou Krespinha – a melhor esponja para a limpeza da cozinha. As paulistas também vão me querer bem”, dizia o anúncio antigo.

A Bombril ainda não se manifestou sobre o assunto.