Thriller de Jeanine Cummins deixa nervos à flor da pele

História une narcotráfico e crimes em uma fuga desesperada aos EUA

Thriller começa com uma chacina

Thriller começa com uma chacina

Divulgação

Lydia Quixano Pérez e seu filho Luca, de oito anos, são os únicos sobreviventes de um massacre que deixou 16 de seus familiares mortos durante uma festa de 15 anos em Acapulco, no México. Entra as vítimas está o marido, Sebastián, um respeitado jornalista local que assinou uma reportagem comprometedora sobre Javier, chefe do cartel de drogas mais poderoso da cidade. Lydia não tem dúvidas de que o homem é o mandante do crime e sabe que se não fugir imediatamente seus dias e de seu filho estarão contados.

Para escapar da morte, Lydia dá início a uma longa jornada de fuga para os Estados Unidos - ela acreditar ter uma parcela de culpa na tragédia. Antes da chacina, Javier era frequentador assíduo da livraria administrada por ela. O interesse por literatura conectou os dois, e Lydia, num primeiro momento, não fazia ideia de que aquele sujeito gentil era um dos narcotraficantes mais perigosos do México.

À medida que se juntam às inúmeras pessoa que tentam uma vida melhor nos EUA, e enfrentam uma infinidade de perigos que deixam vítimas no trajeto, Lydia percebe que todos ali estão fugindo de algo.

“Terra Americana” é um poderoso thriller assinado por Jeanine Cummins que teve grande repercussão mesmo antes de seu lançamento nos Estados Unidos, em janeiro último. Stephen King considerou a obra “extraordinária”. Don Wilson, outro reconhecido autor americano de crimes e mistério, comparou o livro com “ As Vinhas da Ira”, de John Steinbeck, vencedor do Pulitzer. E Oprah Winfrey selecionou o livro para seu clube de livros.

“Terra Americana”
Tradução de Flávia rössler, Cassia Zanon e Maria Carmelita Dias
416 páginas
R$ 49,90 (impresso)
R$ 34,90 (e-book)
Editora Intrínseca