Melhor Não Ler Lula não dorme preocupado com inflação: preço do voto aumentou demais 

Lula não dorme preocupado com inflação: preço do voto aumentou demais 

Ano eleitoral requer muito 'investimento' em campanhas, e o que mais preocupa descondenado é a alta no preço do voto

A campanha presidencial não está sendo nada fácil para Lula por diversos motivos. Já não se fazem mais manifestantes como antigamente. Algumas eleições atrás os manifestantes eram mais humildes e se contentavam com sanduíche de mortadela e passagem de ônibus.

Hoje eles não comparecem nem mesmo a showmício “grátis” onde a militante, quer dizer, cantora diz que está lá “de coração”, mas cobra cachê de seis dígitos, tudo pago com dinheiro público. Aliás, ela nem conseguiu receber na surdina porque o brasileiro acordou e expôs toda a maracutaia, quer dizer, negociação na internet. Aí pegou mal e a coitadinha teve que se contentar em “ir de coração” mesmo.

Sanduíche de mortadela já não compra mais a militância

Sanduíche de mortadela já não compra mais a militância

Pinterest

E como Lula vai concorrer com as motociatas, carreatas e até mesmo as manifestações aquáticas a bordo de barcos e lanchas que os eleitores de seu arqui-inimigo fazem? Isso requer organização por parte da própria população, que sejam usados veículos próprios e as pessoas invistam o próprio dinheiro para combustível, alimentação, bandeiras e faixas.

Pão com mortadela não compra essa classe média, logo, não é à toa que Lula a odeie tanto. Ele até que tentou emplacar passeata e “pedalula”, mas, como o descondenado não mandou Uber para buscar o pessoal em casa nem cedeu bicicletas grátis, o resultado foi passar mais uma vergonha no débito (porque crédito ele não tem mais).

Para piorar, outro recurso amplamente utilizado pelo candidato que “vence no primeiro turno”, segundo a Data Falha, está fora de cogitação por causa da alta da inflação. O preço do voto está nas alturas e nem vendendo o “tripréks” e o sítio de Atibaia daria para pagar.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas