Jornalista, músico, fã de cultura pop e gente boa: Rodrigo Rodrigues

Gente boníssima, Rodrigo conseguia a mágica de ser querido por todo mundo; Sua partida é uma perda para o jornalismo televisivo

Rodrigo também adorava tocar violão e guitarra

Rodrigo também adorava tocar violão e guitarra

Reprodução/Instagram Rodrigo Rodrigues

É sempre muito triste escrever sobre a morte de qualquer pessoa, ainda mais nessa época de pandemia, mas é mais triste ainda escrever sobre a morte de um colega de profissão. Rodrigo Rodrigues, que morreu nesta terça (28), não era meu amigo, mas nos conhecíamos. Cruzei com ele pela primeira vez em 1998 durante a E3, o maior evento americano de games. Ele estava lá pelo extinto programa Vitrine, da TV Cultura, e eu fui pela Conrad Editora, onde publicávamos revistas como a Nintendo World, EGM, Herói etc. Fui lá e puxei uma conversa com ele, trocamos umas figurinhas a respeito da cobertura do evento e foi isso.

Anos mais tarde o encontrei algumas outras vezes em outros eventos aqui no Brasil mesmo. Mais recentemente ele veio ao R7 com sua banda, a Soundtrackers, fazer um show bem divertido.

Enfim, esse era o Rodrigo, um cara que parecia ter um milhão de amigos e parece que todos gostavam muito dele. Dá para medir isso pela repercussão de sua morte. Tem um monte de gente por aí falando só bem do cara.

Rodrigo e um de seus livros

Rodrigo e um de seus livros

Divulgação

Bem humorado, Rodrigo passou por alguns veículos de comunicação. Quase sempre TV. Depois do Vitrine, onde eu sempre o assistia, também passou pela TV Gazeta e há uns dois anos criou lá um programa muito divertido que se chamava 5 Discos. Ele levava cantores que mostravam seus cinco discos favoritos e depois cantavam alguma música, com Rodrigo ao violão. Muito bacana.

Rodrigo sempre foi um sujeito ligado à cultura pop e suas reportagens e programas geralmente seguiam por esse caminho. Por algum motivo, acabou indo parar nos programas esportivos. Mostra sua versatilidade.

Aliás, ele também era músico e sua banda, Soundtrackers, fazia um trabalho bem interessante. Eram shows em que tocavam canções de filmes.

Já há algum tempo, Rodrigo estava no SporTV e eu acaba sempre vendo. Nas últimas semanas em que apresentou o programa, a discussão era quase sempre sobre a polêmica a respeito da volta ou não do futebol. Rodrigues era bem radical nessa questão e se colocava sempre contra o retorno dos jogos nesse momento. Tudo, obviamente, por conta do risco do coronavírus. Ele discutiu várias vezes com dirigentes que eram a favor. Ironicamente, Rodrigo foi vítima da doença.

Enfim, um dia triste para o jornalismo brasileiro. E mais um dia triste para o Brasil.