Música Tenor Plácido Domingo nega novas acusações de abuso sexual

Tenor Plácido Domingo nega novas acusações de abuso sexual

Agência americana revelou denúncias de 11 mulheres, entre elas Angela Turner Wilson, que trabalhou com o artista entre 1999 e 2000

Tenor Plácido Domingo nega novas acusações de abuso sexual

Plácido Domingo é alvo de investigações de assédio

Plácido Domingo é alvo de investigações de assédio

Chad Batka/Divulgação

O tenor espanhol Plácido Domingo negou as novas acusações de abuso sexual e comportamento indevido que recebeu e foram divulgadas na quinta-feira pela agência americana de notícias "Associated Press" (AP).

"A atual campanha da 'AP' para denegrir Plácido Domingo não é apenas imprecisa, como foge à ética. Estas novas acusações estão repletas de inconsistências e, como na primeira história, simplesmente são incorretas de muitas maneiras", indicou a porta-voz do tenor, Nancy Seltzer.

"Devido a (existência de) uma investigação em curso, não comentaremos detalhes específicos, mas negamos firmemente a imagem enganosa que 'AP' está tentando pintar do sr. Domingo", acrescentou.

A agência americana revelou acusações de 11 mulheres, entre elas Angela Turner Wilson, que trabalhou com o tenor em "Le Cid", de Jules Massenet, representada na Ópera de Washington durante a temporada 1999-2000, quando ele era o diretor artístico da instituição.

De acordo com o depoimento da cantora, Plácido Domingo entrou em seu camarim antes de uma apresentação e a tocou diversas vezes, um comportamento que a deixou "atônita" e "humilhada".

Já outras dez mulheres que não tiveram seus nomes revelados acusaram o artista de realizar "toques não desejados, pedidos persistentes de reuniões privadas, ligações telefônicas noturnas e tentativas repentinas de beijos na boca".

No início do mês passado, a "AP" informou que nove mulheres, todas de forma anônima, com exceção de uma, denunciaram ter sofrido assédio sexual. Domingo alegou que acreditava que suas "relações" e "interações" eram "bem-vindas e de comum acordo".

A Ópera de Los Angeles, que Domingo dirige desde 2003, designou uma advogada, Debra Wong Yang, do escritório Gibson, Dunn & Crutcher, para que verificasse "de forma independente e minuciosa" essas acusações.

A Orquestra da Filadélfia e a Ópera de São Francisco cancelaram as atuações do tenor que tinham agendado, e o Teatro Real, em Madri, confirmou a apresentação prevista para maio do ano que vem com "La Traviata".

Plácido Domingo, de 78 anos, deve atuar nos meses de setembro, outubro e novembro na Ópera Metropolitana de Nova York (Met Opera), instituição que disse hoje à Efe não ter mais o que dizer sobre o caso.