Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Música
Publicidade

Manu Gavassi lança "31". Veja o clipe com a letra

Balada reflexiva é a parte final do novo projeto da cantora

Vagalume

Vagalume|Do R7

Vagalume
Vagalume Vagalume (Vagalume)

Manu Gavassi lançou, nesta quinta-feira (4), a quarta e última parte do seu projeto de curtas musicais. A balada pop "31" traz uma mensagem reflexiva e é o vídeo preferido da artista entre os quatro gravados.

"Olhar pra trás pra olhar pra frente. Com isso finalizo esse pequeno-porém-ambicioso-projeto que me trouxe muita realização", frisou Manu em um texto anunciando o lançamento de "31".

A música mostra a artista refletindo sobre o amadurecimento ganho com os anos de vida: "Não tenho mais vinte e dois nem vinte e três / Acho que os trinta me fizeram viva, me caíram bem / Nada como o tempo".

Ainda no Twitter, ela dedicou o lançamento aos seus fãs fieis. "Presenteio meu público (fã que é fã meeeeesmo, sabe?) que sempre cantou apaixonado minhas musicas mais pessoais, como essa aqui. Então essa é só pra vocês. E não posso evitar sentir um gostinho de final".

Publicidade

Ao mesmo, as novidades não acabam por aqui. Manu anunciou que vai trazer mais notícias em breve.

"Nos próximos dias vou anunciar o que é de fato e quais são meus próximos passos no Estúdio Gracinha. Mal posso esperar!", contou.

Publicidade

Veja o clipe de "31" com a letra abaixo:

Clique para ver no Vagalume

Publicidade

"31"

Autora: Manu Gavassi

Sinto que observo o mundo sempre de fora

E que eu nasci no tempo errado, tô presa no agora

Nesses corpos magros e sem alma da minha geração

Que com glamour vivem sua liberdade, parecida com uma prisão

Okay, eu comecei pesando o clima

Prometo ser mais controlado

E só cantar o que não causa dor, rebeldia calculada

Eu andava meio desligada, finalmente acordei

E sei que sigo no caminho certo porque o errado incomodei

Não tenho mais vinte e dois nem vinte e três

Acho que os trinta me fizeram viva, me caíram bem

Nada como o tempo

Nada como o tempo

Nada como o tempo

Tudo como tem que ser

Sinto que observo o mundo sempre de fora (Ah-ah)

E que eu nasci pra desconforto

O improvável me adora (Ah-ah)

Pra que escolher o mais fácil

Se eu tô aqui pra transcender e não a venda?

Eu poderia ter virado moda, mas prefiro virar lenda

Não tenho mais vinte e dois nem vinte e três (Ah-ah)

Acho que os trinta me fizeram viva, me caíram bem

E o sol pode me aquecer

Mas me emociono com a lua

E danço na escuridão

Da minha própria loucura

E não tenho medo

Nada como o tempo

Nada como o tempo, uh-uh-uh

Nada como o tempo

Tudo como tem que ser

Já acreditei em todo mundo, não importava o que falassem

E matei todas as minhas versões antes que elas me matassem

Já quis estar com todo mundo, hoje quero estar com os meus

E pro orgulho de quem me criou, meu coração me protegeu

Vi a cultura do nosso país ser brutalmente machucada

Sensibilidade e inteligência transformadas em piada

Se a ignorância é uma benção, eu prefiro a maldição

Minhas ancestrais morreram na fogueira

Vou morrer nessa canção

Porque o sol pode me aquecer

Mas me emociono com a lua

E danço na escuridão

Da minha própria loucura

E não tenho medo

É tão fácil viciar em querer entender

E é tão indescritivelmente mágico viver

Nada como o tempo

Nada como o tempo, uh-uh-uh

Nada como o tempo

Tudo como tem que ser

Fonte: Vagalume

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.