Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Melhor Não Ler
Publicidade

Felipe Neto: quando a comida não entra pela porta, a empatia sai pela janela

Quando "vossa alteza real" não é atendida, nem o espírito natalino é capaz de suscitar o tão falado colocar-se no lugar do outro...

Melhor Não Ler|Do R7

Felipe Neto
Felipe Neto Felipe Neto

Pois é, gente... Poderia ter acontecido com qualquer um, mas foi justamente com o questionador do acúmulo de capital, aquele que pede “amor” nas redes sociais (quando lhe convém) e que acha que todo mundo deve praticar a empatia se colocando no lugar do outro (menos ele, claro).

Sim, Felipe Neto, aquele que tem regras para tudo e todos, menos para si mesmo, ficou sem ceia de Natal. Porém, em vez de comemorar, já que para ele textos bíblicos “são coisas ultrapassadas”, preferiu esbravejar na internet.

Depois de pedir sua ceia de Natal num aplicativo de entrega e não a receber, gastando R$ 1.200, o influenciador imitador de foca desceu a lenha em todo mundo. Mandou perguntinha para o aplicativo pelo X, citou o nome do restaurante e botou a boca no trombone no melhor estilo “vocês sabem com quem estão falando?”.

O restaurante, que estava fechado, respondeu que o erro foi do aplicativo, que deu o pedido como aceito mesmo com a casa fechada. Já o aplicativo, até onde sabemos, ainda não se pronunciou. Isso pode acontecer por diversas razões e, quando erros assim acontecem (afinal, o sistema não é infalível), o valor pago é estornado e bola pra frente.

Publicidade

Mas é aquilo, né, gente: socialista que é socialista não tolera erro de qualquer natureza do capitalismo malvadão (que eles amam mais que chocolate, mas dizem que odeiam). O socialista é aquele cara que diz que ama o trabalhador e que até luta por ele, mas desce o sarrafo no peão quando ele não está lá para servi-lo imediatamente. Ainda que seja Natal...

E aí, meu amigo, quando vossa alteza real não é atendida ao estalar seus dedos, fica tão contrariada, mas tão contrariada que logo dá aquela “carteirada” para tentar obrigar todo mundo a fazer o que “sua graça” quer, na hora que quer.

Enfim... mas, quem sabe no ano que vem o espírito natalino desça sobre vossa alteza e ela ordene aos seus próprios empregados que preparem seu deleite real com antecedência. Afinal de contas, alguém terá de servi-la, não é mesmo?

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.