Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 VIRTZ
Publicidade

Revelada em favela, modelo retribui com ação social em periferia do RJ

Ana Patrocínio é destaque na moda nacional e, por meio de instituto, leva acesso à cultura e ao esporte para comunidades

Virtz|Do R7

Ana Patrocínio, de 25 anos, é destaque na moda nacional
Ana Patrocínio, de 25 anos, é destaque na moda nacional Ana Patrocínio, de 25 anos, é destaque na moda nacional

Nascida na capital paulista e moradora de Vaz Lobo, bairro na Zona Norte do Rio de Janeiro, desde os 19 anos, Ana Patrocínio hoje celebra o posto de destaque na moda nacional. "Mudei para o Rio de Janeiro para cursar produção cultural, em 2015. Buscava independência financeira, até que adentrei, quase que por acaso, o mundo da moda. Amigos me incentivavam e algumas propostas surgiam, mas eu tinha outro foco naquele momento", afirma a jovem, de 25 anos.

Antes de conhecer as passarelas, ela foi estagiária na área cultural da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e recepcionista em um consultório médico. Como produtora cultural, sempre foi engajada na celebração da cultura afro.

Carreira de modelo

Mas os rumos de sua carreira começaram a mudar quando Ana participou do projeto Coolhunter Favela - no bairro de Realengo, Zona Oeste do Rio -, um laboratório de pesquisa etnográfica que busca identificar e decodificar tendências e movimentos populares brasileiros.

A iniciativa deu à jovem visibilidade para assinar seu primeiro contrato como modelo, na ocasião com uma agência da comunidade do Jacarezinho, que buscava por novos talentos.

Publicidade

Recentemente, Ana tornou-se aposta da agência Mix Models, de Pedro Bellver e Wellington Vieira, e já estrelou trabalhos para marcas como Levi's, Lenny Niemeyer, Animale, Naturae Fila, entre diversas outras, além de editoriais em publicações como Vogue Brasil e Portugal. Agora, ela é aposta internacional e terá compromissos de trabalho nos Estados Unidos e na Alemanha,para onde deve embarcar após a estabilização da pandemia. 

A modelo reconhece que todo esse sucesso foi possível graças ao seu começo nas favelas do Rio de Janeiro e busca retribuir essa possibilidade de mudança de vida que encontrou nas comunidades.

Publicidade

Ações sociais nas favelas

Por meio da participação no instituto Aluandê/Roda Big Field Angola, que atua desde 2017 em favelas da Zona Oeste da cidade, Ana produz ações de acesso à cultura, ao esporte e às necessidades básicas para pessoas em vulnerabilidade social.

As atividades incluem rodas de capoeira, bibliotecas itinerantes, contação de histórias para crianças, realização de bate-papos informativos, além de distribuição de agasalhos e materiais de higiene e cestas básicas.“Para mim, é muito importante retribuir e semear a cultura afro em suas diversas áreas. A cultura salva vidas”, afirma.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.