Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Andrea Veiga fala sobre pressão por magreza aos 15 anos e descobertas após os 50: 'Fiquei desbravadora'

A atriz e ex-paquita, que viveu Golda em 'Reis, A Consequência', comenta ainda sobre o amor pela hidroginástica, pelo mar e dá detalhes da rotina sem carro

Bem Estar|Brenda Marques, do R7

Andreia Veiga diz que se tornou mais 'livre' após os 50 anos
Andreia Veiga diz que se tornou mais 'livre' após os 50 anos Andreia Veiga diz que se tornou mais 'livre' após os 50 anos

Andrea Veiga, que se despediu neste mês da sua personagem Golda, na oitava temporada de Reis, A Consequência, passou por muitas fases e amadureceu ao longo de seus quase 40 anos de carreira no meio artístico. Em conversa com o R7, ela lembra como lidou com a pressão estética em nome da magreza na época em que era paquita, aos 15, com um corpo em formação e cheios de hormônios, e avalia que se tornou mais livre e "sem filtro" depois dos 50.

Segundo ela, as coisas estão mais fáceis hoje em dia. "Naquela época [anos 80], bonito era ser magra. Ainda bem que acabou esse tabu. Mas foi bem difícil, porque estava em formação de corpo e hormônios bombando. Mas nunca briguei com a balança e nem fiz dieta, sempre fui comedida", afirma.

A atriz, que completou 54 anos no dia 9 de agosto, considera que recuperou a ousadia quando entrou na quinta década de vida. "Eu comentei outro dia, com uma amiga, que quando a gente tem 20 anos faz as coisas e não está nem aí. Você se joga em tudo. Quando tem 30/35 anos acha que não vai dar conta, e quando faz 50, esse filtro dos 20 volta", compara.

"Você já viveu mais de 50% da vida útil, então, o que vier é lucro, você para de se cobrar tanto. Fiquei mais destemida e desbravadora", completa.

Publicidade

Agora, ela se permite viver tudo que tem vontade sem deixar de pensar no filho, Luca, de 21 anos. "A maternidade traz maturidade. Eu atravesso a rua e dirijo de um jeito diferente [de antes], pensando nesse ser que faz parte de mim. Tive dois casamentos, de 5 e 14 anos, e a maturidade é, realmente, a chave de tudo. Hoje em dia, só faço o que estou a fim. Não faço nada para agradar ninguém e vivo mais relaxada", pondera.

'Tem que saber envelhecer com saúde e bom senso'

Andrea Veiga caracterizada de Golda para 'Reis'
Andrea Veiga caracterizada de Golda para 'Reis' Andrea Veiga caracterizada de Golda para 'Reis'

Apesar de estar no auge da descontração, Andrea também continua vaidosa e não abre mão de alguns procedimentos estéticos. Porém, se engana quem pensa que o objetivo é esconder as marcas da passagem do tempo. O foco é ter saúde para aproveitar bem a velhice. 

Publicidade

"A gente tem que saber envelhecer com saúde e bom senso. Faço botox e preenchimento quando precisa, mas tomo muito cuidado, porque sou atriz e não posso mexer muito na cara, porque a gente tem que aparentar a idade que tem. Você não pode ter 54 anos e querer o corpo de uma garota de 20", opina a atriz.

Apesar disso, ela destaca que as pessoas nunca vão vê-la "caída". "Mas não por causa de um padrão estético, eu quero ficar bem para mim", pontua.

Publicidade

A única cirurgia plástica de Andrea foi aos 30 anos, quando implantou silicone nos seios. "Porque eu era zerada de peito, coloquei um volume normal para o meu tamanho", justifica.

Fora os procedimentos estéticos esporádicos, ela adota cuidados básicos com a pele. "Uso uma boa vitamina C no rosto, hidratante de manhã, creme de olheira e protetor solar. À noite, lavo o rosto, passo outro hidratante e vou dormir. Faço laser raramente e também uso hidratante no corpo no dia a dia, nada de mais", descreve.

Vida sem carro

Há 3 anos, Andrea, que mora no Rio de Janeiro, descobriu um espaço de exercícios e cuidados com a saúde. De acordo com ela, o ambiente "não é uma academia normal" e a prepara para "viver a velhice". Lá, a atriz, que não gostava de se exercitar, descobriu o amor pela hidroginástica. "Me apaixonei pela hidro aos 50 anos. É o exercício da minha vida", diz, entusiasmada.

"Você fala hidro e as pessoas acham que é exercício de velha, mas a gente usa até jumping dentro da água", acrescenta. 

· Compartilhe esta notícia no WhatsApp

· Compartilhe esta notícia no Telegram

Apenas às terças e às quintas, Andrea faz exercícios funcionais em terra firme. Além disso, há dois anos ela vendeu o carro e passou a se locomover de bicicleta para quase todos os lugares. "No verão, sou totalmente diurna. Às 6 horas já estou acordada, pego minha bicicleta, vou até o Arpoador e dou um mergulho. Depois, vou para a hidro e às 9 horas já estou em casa de novo", conta.

Após uma vida toda fazendo terapia, ela abriu mão do acompanhamento profissional. "O mar para mim é terapia. Às vezes, eu tô chateada, vou para o mar, dou um mergulho e minha vida muda. Costumo dizer que o bom humor é meu pastor e nada me faltará", brinca.

Às declarações de que está "conservada no formol", Andrea reage aos risos. "Eu brinco que sou conservada no gin, porque gosto de beber socialmente. Mas acho normal [comentários desse tipo]. Sou uma pessoa muito alegre, diurna e tenho uma cabeça jovem", garante.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.