Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Estudos descobrem altos níveis de microplásticos em garrafas de água mineral

Flipar|

Pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos, fizeram uma análise aprofundada sobre a presença de fragmentos de plástico em garrafas de água mineral.
Pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos, fizeram uma análise aprofundada sobre a presença de fragmentos de plástico em garrafas de água mineral. Pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos, fizeram uma análise aprofundada sobre a presença de fragmentos de plástico em garrafas de água mineral. (Flipar)
Os resultados da análise de três marcas populares do produto nos Estados Unidos mostraram uma concentração bem maior que o imaginado do material.
Os resultados da análise de três marcas populares do produto nos Estados Unidos mostraram uma concentração bem maior que o imaginado do material. Os resultados da análise de três marcas populares do produto nos Estados Unidos mostraram uma concentração bem maior que o imaginado do material. (Flipar)
O estudo se valeu do Espalhamento Raman Estimulado (SRS), técnica que utiliza dois lasers simultâneos nas amostras para detectar materiais microscópicos.
O estudo se valeu do Espalhamento Raman Estimulado (SRS), técnica que utiliza dois lasers simultâneos nas amostras para detectar materiais microscópicos. O estudo se valeu do Espalhamento Raman Estimulado (SRS), técnica que utiliza dois lasers simultâneos nas amostras para detectar materiais microscópicos. (Flipar)
A análise concluiu que em um litro de água mineral engarrafada há 240 mil fragmentos de plástico.
A análise concluiu que em um litro de água mineral engarrafada há 240 mil fragmentos de plástico. A análise concluiu que em um litro de água mineral engarrafada há 240 mil fragmentos de plástico. (Flipar)
A proporção é até cem vezes maior que as estimativas feitas anteriormente.
A proporção é até cem vezes maior que as estimativas feitas anteriormente. A proporção é até cem vezes maior que as estimativas feitas anteriormente. (Flipar)
Os pesquisadores verificaram a presença de entre 110 e 370 mil fragmentos de plástico por litro de água.
Os pesquisadores verificaram a presença de entre 110 e 370 mil fragmentos de plástico por litro de água. Os pesquisadores verificaram a presença de entre 110 e 370 mil fragmentos de plástico por litro de água. (Flipar)
Do total, 90% se enquadravam no conceito de nanoplásticos (tamanho igual ou inferior a cem nanômetros, frações minúsculas).
Do total, 90% se enquadravam no conceito de nanoplásticos (tamanho igual ou inferior a cem nanômetros, frações minúsculas). Do total, 90% se enquadravam no conceito de nanoplásticos (tamanho igual ou inferior a cem nanômetros, frações minúsculas). (Flipar)
No universo de plásticos encontrados, o mais comum foi a poliamida, uma espécie de náilon.
No universo de plásticos encontrados, o mais comum foi a poliamida, uma espécie de náilon. No universo de plásticos encontrados, o mais comum foi a poliamida, uma espécie de náilon. (Flipar)
“É provável que venha (poliamida na água mineral) dos filtros plásticos usados para, em tese, purificar a água antes do engarrafe”, explicou o pesquisador Beizhan Yan, que integrou a equipe de estudos.
“É provável que venha (poliamida na água mineral) dos filtros plásticos usados para, em tese, purificar a água antes do engarrafe”, explicou o pesquisador Beizhan Yan, que integrou a equipe de estudos. “É provável que venha (poliamida na água mineral) dos filtros plásticos usados para, em tese, purificar a água antes do engarrafe”, explicou o pesquisador Beizhan Yan, que integrou a equipe de estudos. (Flipar)
Outro plástico presente em abundância nas amostras foi o Polietileno Tereftalato, conhecido popularmente como PET (material comum na fabricação de garrafas).
Outro plástico presente em abundância nas amostras foi o Polietileno Tereftalato, conhecido popularmente como PET (material comum na fabricação de garrafas). Outro plástico presente em abundância nas amostras foi o Polietileno Tereftalato, conhecido popularmente como PET (material comum na fabricação de garrafas). (Flipar)
De acordo com os especialistas, o PET pode entrar na água por exposição da garrafa ao calor ou por repetidas aberturas e fechamentos da tampa, por exemplo.
De acordo com os especialistas, o PET pode entrar na água por exposição da garrafa ao calor ou por repetidas aberturas e fechamentos da tampa, por exemplo. De acordo com os especialistas, o PET pode entrar na água por exposição da garrafa ao calor ou por repetidas aberturas e fechamentos da tampa, por exemplo. (Flipar)
Poliestireno, cloreto de polivinila e polimetilmetacrilato também foram tipos de plástico identificados em quantidade significativa no estudo.
Poliestireno, cloreto de polivinila e polimetilmetacrilato também foram tipos de plástico identificados em quantidade significativa no estudo. Poliestireno, cloreto de polivinila e polimetilmetacrilato também foram tipos de plástico identificados em quantidade significativa no estudo. (Flipar)
Flipar
Flipar Flipar (Flipar)
Estudo similar desenvolvido na Espanha chegou a resultados também alarmantes sobre a presença de plástico em garrafas de água mineral.
Estudo similar desenvolvido na Espanha chegou a resultados também alarmantes sobre a presença de plástico em garrafas de água mineral. Estudo similar desenvolvido na Espanha chegou a resultados também alarmantes sobre a presença de plástico em garrafas de água mineral. (Flipar)
A pesquisa foi conduzida pelo Instituto de DIagnóstico Ambiental e Estudos da Água (IDAEA) e pelo Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) em parceria com o Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal).
A pesquisa foi conduzida pelo Instituto de DIagnóstico Ambiental e Estudos da Água (IDAEA) e pelo Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) em parceria com o Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal). A pesquisa foi conduzida pelo Instituto de DIagnóstico Ambiental e Estudos da Água (IDAEA) e pelo Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) em parceria com o Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal). (Flipar)
Ao todo, 20 marcas de água mineral em garrafa foram objeto de análise e apenas uma não tinha microplásticos.
Ao todo, 20 marcas de água mineral em garrafa foram objeto de análise e apenas uma não tinha microplásticos. Ao todo, 20 marcas de água mineral em garrafa foram objeto de análise e apenas uma não tinha microplásticos. (Flipar)
A análise encontrou em média 359 nanogramas de microplásticos por litro de água mineral, proporção similar à identificada em outro estudo prévio do mesmo consórcio com água de torneira.
A análise encontrou em média 359 nanogramas de microplásticos por litro de água mineral, proporção similar à identificada em outro estudo prévio do mesmo consórcio com água de torneira. A análise encontrou em média 359 nanogramas de microplásticos por litro de água mineral, proporção similar à identificada em outro estudo prévio do mesmo consórcio com água de torneira. (Flipar)
“A principal diferença que encontramos é o tipo de polímero: na água da torneira encontramos mais polietileno e polipropileno, enquanto na água de garrafa detectamos principalmente tereftalato de polipropileno (PET), embora também polietileno”, explicou a pesquisadora Cristina Villanueva.
“A principal diferença que encontramos é o tipo de polímero: na água da torneira encontramos mais polietileno e polipropileno, enquanto na água de garrafa detectamos principalmente tereftalato de polipropileno (PET), embora também polietileno”, explico... “A principal diferença que encontramos é o tipo de polímero: na água da torneira encontramos mais polietileno e polipropileno, enquanto na água de garrafa detectamos principalmente tereftalato de polipropileno (PET), embora também polietileno”, explicou a pesquisadora Cristina Villanueva. (Flipar)
A partir dos dados, os pesquisadores espanhóis concluíram que uma pessoa habituada a beber dois litros de água mineral diariamente está ingerindo 262 microgramas de partículas de plástico por ano.
A partir dos dados, os pesquisadores espanhóis concluíram que uma pessoa habituada a beber dois litros de água mineral diariamente está ingerindo 262 microgramas de partículas de plástico por ano. A partir dos dados, os pesquisadores espanhóis concluíram que uma pessoa habituada a beber dois litros de água mineral diariamente está ingerindo 262 microgramas de partículas de plástico por ano. (Flipar)
Os riscos envolvidos na grande ingestão de micro e nanoplásticos pela água e também via alimentos têm sido objeto de estudos e ainda não estão claros. Há suspeitas de que aditivos e produtos químicos inseridos nos plásticos possam afetar a saúde humana.
Os riscos envolvidos na grande ingestão de micro e nanoplásticos pela água e também via alimentos têm sido objeto de estudos e ainda não estão claros. Há suspeitas de que aditivos e produtos químicos inseridos nos plásticos possam afetar a saúde humana. Os riscos envolvidos na grande ingestão de micro e nanoplásticos pela água e também via alimentos têm sido objeto de estudos e ainda não estão claros. Há suspeitas de que aditivos e produtos químicos inseridos nos plásticos possam afetar a saúde humana. (Flipar)

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.