Logo R7.com
Logo do PlayPlus
DiFato Tudo Importa
Publicidade

O remédio para uma vida leve? Rir para preservar a saúde mental!

Especialista em neurociência explica os benefícios e como colocar isso em prática diante dos desafios cotidianos

DiFato Tudo Importa|Do R7 e Dionisio Freitas

Rir é mesmo o melhor remédio
Rir é mesmo o melhor remédio Rir é mesmo o melhor remédio (Pixabay)

Quantas vezes você sorri por dia? Certeza que você nunca parou para mensurar isso, não é mesmo? Isso é uma tarefa que você deveria ter entre as suas metas de vida, e eu vou tentar te explicar o porquê.

A minha primeira teoria vai de uma constatação visual. Perceba, na maior parte das vezes pedir algo ou oferecer algo a alguém com um sorriso no rosto deixa a conversa receptiva, tranquila e desarma até mesmo os momentos mais tensos. Segundo, porque especialistas estudaram na prática e na biologia os efeitos que “sorrir” conseguem fazer.

Um exemplo disso vem com uma das mais duradouras pesquisas feitas sobre o tema. Foi feita pela Escola de Saúde Pública T. Chan, em Harvard, nos Estados Unidos, e demonstrou que a atitude positiva diante da vida diminui os riscos de morte por câncer, AVCs, infecções, doenças respiratórias e até cardíacas.

Ela durou oito anos e avaliou 70 mil mulheres, que foram divididas em dois grupos. Na comparação com o grupo mais pessimista, o dos otimistas apresentou chance 30% menor de morrer. Resultado: o bom humor pode ser uma das principais ferramentas para quem deseja ter saúde física e mental

Publicidade

"Ser bem-humorada (o) é ter leveza, rir, brincar em alguns momentos, ser gentil e cordial consigo e com os outros até mesmo na hora de dizer um não ou se posicionar. Isso no cotidiano conta muito. Imagina todo dia você chegar no trabalho mal-humorado e ignorar completamente suas necessidades e a dos outros? Não tenha relação que resista ao longo do tempo até mesmo no âmbito pessoal. Aliás, quem é mal-humorado tende a ficar mais isolado ao longo do tempo, o que não é bom já que somos seres sociais", afirma a humorologista e especialista em neurociência Maryana Rodrigues, a Maryana com Y (@maryanacomy).

O chamado “bom humor” é uma característica das pessoas que encaram enfrentar a vida de uma forma leve, que adotam a chamada cultura da boa convivência, que são capazes de desenvolver as emoções positivas. São pessoas que usam sua base emocional de boas experiências para transmitir serenidade e esperança.

Publicidade

Mas lembre-se: não confunda leveza e bom humor com futilidade ou falta de comprometimento. Um exemplo disso é visto muitas vezes na prática, dentro do ambiente de trabalho. Nele as pessoas se anulam, como se fosse proibido ter alegria ao trabalhar ou como se o sorriso fosse sinônimo de desleixo, ou de que não estamos encarando seriamente as tarefas. E isso, quanto mais alto o cargo, maiores as consequências. Ninguém gosta de um chefe chato e carrancudo, como isso atrapalha o dia não é?

Palestrante, Humorologista (especialista em bom humor), pós-graduada em neurociência traz dicas para uma vida mais leve.
Palestrante, Humorologista (especialista em bom humor), pós-graduada em neurociência traz dicas para uma vida mais leve. Palestrante, Humorologista (especialista em bom humor), pós-graduada em neurociência traz dicas para uma vida mais leve. (Arquivo Pessoal)

Segundo pesquisas mais recentes, só o simples ato de você sorrir, mesmo que forçadamente, faz o cérebro produzir serotonina e endorfina, substâncias que trazem a sensação de bem-estar e prazer ao corpo.

Publicidade

”O bom-humor ajuda a diminuir o risco de doenças psicossomáticas, como depressão, ansiedade e estresse. Sorrir diminui as tensões musculares e também promove a saúde em outras partes do corpo”, enfatiza Maryana com Y, que é palestrante e também coautora do livro SoftSkills e Balanced Skills, ambos que falam sobre o tema do comportamento humano para atingir bons resultados.

Mas, o que é bom humor e como colocá-lo em prática? Tem fórmula?

"Bom humor é treino e começar a olhar para os acontecimentos que envolvem diretamente você é um ótimo exercício. Temos que lembrar que quase nada está sob nosso controle e, muitas vezes, a frustração do dia vem justamente por sermos lembrados disso. O que você vai fazer? Rir e fazer uma piada para si mesmo sobre aquilo que você está vivendo é um bom passo”, relembra.

Na prática, ela quis dizer que o simples ato de você sorrir, mesmo que forçadamente, faz o cérebro produzir serotonina e endorfina, substâncias que trazem a sensação de bem-estar e prazer ao corpo. A partir daí nosso cérebro vai estimulando a criatividade e a pessoa começa a refletir com leveza sobre os acontecimentos, e tem mais facilidade em criar uma maneira de lidar com situações mais complexas.

Então vamos lá, uma dica minha, atualizada graças à minha psicóloga (risos). Eu costumo acordar e ir direto lavar o rosto. Ali em frente ao espelho me forço a sorrir e dizer que meu dia será “maravilhoso”.

Desde que comecei a fazer isso, sinto meus ombros mais leves. Quer tentar? Ao escovar os dentes, tente imaginar um dia perfeito e o coloque como meta. Se acontecer algo diferente, você vai rir e pensar "como vamos ajustar isso?". Desafio nosso a partir de hoje, hein?

Segundo Maryana, pessoas que usam sua base emocional de boas experiencias transmitem serenidade e esperança.
Segundo Maryana, pessoas que usam sua base emocional de boas experiencias transmitem serenidade e esperança. Segundo Maryana, pessoas que usam sua base emocional de boas experiencias transmitem serenidade e esperança. (Arquivo Pessoal)

Assim como outros hábitos, o bom-humor pode ser adquirido ao longo do tempo, mas é preciso dedicação. Um exercício, onde o resultado fica visível em diversas maneiras e que vai além da saúde. Promove um ambiente interno e externo acolhedor. Por isso, rir é um bom remédio.

"A convivência é um dos fatores determinantes. Se você está com pessoas que veem a vida mais leve, a tendência é que isso também seja estimulado na sua vida. Do contrário, é impossível treinar isso no meio de tanta gente que só reclama. Não esqueça que o ambiente influencia e muito na nossa personalidade, outro ponto que a neurociência já estuda", reforça Maryana com Y.

Então pegue sua cartolina de bom humor, tome um comprimido de alegria e pé na estrada. Vamos começar a sorrir?

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.