Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Inédita no Rio de Janeiro, tragicomédia “Pulmões” encerra temporada, neste domingo (29/10)

Em um relacionamento há 11 anos, os atores Giulia Grandis e Thiago Mello se questionam se devem ou não ter filhos, assim como os personagens...

Cartão de Visita|

Em um relacionamento há 11 anos, os atores Giulia Grandis e Thiago Mello se questionam se devem ou não ter filhos, assim como os personagens da peça

Cartão de Visita - Entretenimento
Cartão de Visita - Entretenimento Cartão de Visita - Entretenimento

Enquanto o planeta fica cada vez mais quente, os oceanos sobem e se agitam, um casal no supermercado se questiona se deve ou não ter filhos. Esse simples questionamento causa uma reação em cadeia que não pode ser revertida. É o começo de uma conversa que vai de questões ambientais até o mais temido medo de todos: de se tornarem iguais aos seus próprios pais. Esse é o ponto de partida do espetáculo “Pulmões”, do dramaturgo inglês Duncan Macmillan, que encerra temporada, neste domingo (29/10), no Teatro Municipal Ipanema. A peça tem tradução e adaptação de Diego Teza, direção de Miwa Yanagizawa e Maria Lucas como diretora assistente. As últimas sessões sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 19h. O espetáculo é apresentado pelo Ministério da Cultura, pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, pela Secretaria Municipal de Cultura e tem patrocínio da MXM Sistemas.

A premiada dramaturgia, que estreou em 2011 nos Estados Unidos, é montada pela primeira vez no Rio de Janeiro. O projeto foi idealizado pelos atores Giulia Grandis e Thiago Mello, casados desde 2019 e juntos há 11 anos. Na peça, os personagens também têm um relacionamento e se perguntam se são pessoas boas o suficiente para terem filhos. Avaliam as próprias (segundo eles) qualidades: têm uma vida simples, gastam dinheiro com assinaturas de streaming, aluguel, fazem doações, votam, vão a manifestações, assistem filmes estrangeiros, reciclam e levam sacola retornável (quando lembram). Seria o suficiente?

“Conheci Pulmões em 2019, quando tinha acabado de me casar, e todo mundo começou a perguntar se a gente ia ter filhos. A pressão foi tanta e comecei a me perguntar mais a sério se queria ter ou não. Se tinha vontade de criar uma criança, instinto maternal ou desejo em deixar um pedaço meu no mundo. A peça começa justamente com esse questionamento”, lembra Giulia. “Não conseguimos comprar os direitos na época. Em 2021, descobri uma massa no útero e tive que fazer muitos exames e uma cirurgia. Fiquei bem de saúde, mas essas reflexões voltaram com mais força e a vontade de fazer a peça também. Fomos atrás dos direitos e deu certo. Acho que o público vai se surpreender com a espontaneidade e vulnerabilidade dos personagens”, acrescenta a atriz.

Publicidade

A diretora Miwa Yanagizawa conheceu o casal de atores durante uma oficina no ano passado, e se entusiasmou ao receber o convite para dirigir este texto de Duncan Macmillan, que lança um olhar crítico e bem-humorado sobre o que a sociedade considera como um comportamento padrão para casais. “As peças dele têm um olhar agudo sobre as relações humanas contemporâneas. Ele sugere dispositivos interessantes para o processo de criação que desnaturaliza situações que nós teimamos em reproduzir na vida como algo natural”, descreve Miwa. “Em Pulmões, estamos representando uma relação cis-heteronormativa ansiosa por corresponder ou escapar da ideia de família ideal. Estamos, aos poucos, quebrando padrões, mas a imagem de uma família perfeita de propaganda de margarina ainda é muito presente. Ter filhos é visto como um acontecimento normal para um casal cis, como se não existissem mil outras possibilidade de existência”, completa a diretora.

O cenário da diretora de arte Teresa Abreu vai contar com uma série de projeções de slides com imagens de festividades de famílias nos anos 70. A trilha sonora original composta por Azullllllll é outro elemento dramatúrgico. “Construímos uma encenação que reforça a dinâmica de um casamento como um jogo paradoxal e cotidiano de contrastes e repetições atravessado por inúmeros afetos. A peça tem uma série de viradas de tempo e espaço e levamos para a cena uma linguagem não-realista, na qual os atores são condutores de situações que, esperamos, vai mexer com a imaginação do público”, explica Miwa.

Publicidade

Ficha técnica:

Autor: Duncan Macmillan

Publicidade

Tradução/ Adaptação: Diego Teza

Direção: Miwa Yanagizawa

Diretora Assistente: Maria Lucas

Elenco: Giulia Grandis e Thiago Mello

Direção de arte e figurino: Teresa Abreu

Cenotécnico: Marco Souza

Contramestre: Francisca Sabóia

Aderecista: Nayara Pereira

Iluminação: Livs

Trilha Sonora Original: Azullllllll

Operador de Som: Gabo Lessa

Operador de Luz: Giu Del Penho

Fotos: João Julio Mello

Projeto Gráfico: Davi Palmeira

Assessoria de Imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Assessoria Jurídica: Dulcimery Benevides

Produtora Assistente: Marina Paiva

Produção Executiva: Bruno Marques

Direção de Produção: Leticia Napole, Giulia Grandis e Thiago Mello

Idealização: Giulia Grandis e Thiago Mello

Realização: Grandis Produções

Patrocínio: MXM Sistemas

Serviço:

Temporada: De 06 a 29 de outubro

Gênero: Tragicomédia

Dias e horários: sextas e sábados, às 20h, e domingo, às 19h.

Teatro Ipanema: Rua Prudente de Morais, 824 - Ipanema, Rio de Janeiro

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)

Duração: 1h15

Lotação: 192 lugares

Classificação: 14 anos

Venda de ingressos: https://riocultura.eleventickets.com

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.