Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Orquestra Jovem do Estado recebe o violinista Emmanuele Baldini

Sob regência de Cláudio Cruz grupo interpreta obras do compositor alemão Johannes Brahms

Cartão de Visita|

Sob regência de Cláudio Cruz grupo interpreta obras do compositor alemão Johannes Brahms

Crédito: Heloísa Bortz

A Orquestra Jovem do Estado - grupo ligado à EMESP Tom Jobim, instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, gerida pela Santa Marcelina Cultura, recebe o violinista Emmanuele Baldini para concerto no dia 18 de junho, domingo, às 16h, na Sala São Paulo.

Sob regência de seu diretor musical, o maestro Cláudio Cruz, o grupo apresenta um programa com obras do compositor alemão Johannes Brahms(1833-1897). Para abrir o concerto, o grupo recebe o violinista Emmanuel Baldini para apresentar Concerto para violino em Ré maior, Op. 77. Composto no verão de 1878, no vilarejo austríaco de Pörtschach am Wörthersee - onde Brahms também compôs a primeira sonata para violino e a segunda sinfonia - foi dedicado ao violinista Joseph Joachim. A estreia aconteceu um ano mais tarde, em Leipzig, tendo o próprio compositor na regência e Joseph Joachim como solista.

Publicidade

Em seguida, a Orquestra interpreta Sinfonia nº1 em Dó menor, Op. 68. Em 1862, Brahms estabeleceu-se definitivamente em Viena. O público já o respeitava como o herdeiro de Beethoven e é provável que o receio de uma comparação direta com o legado do grande clássico determinasse a demora da estreia de sua primeira sinfonia. Antes de terminá-la, o compositor já tinha obras como o Concerto para piano em ré menor, op. 15, as Variações sobre um tema de Haydn, op. 56 e as duas Serenatas op. 11 e op. 16. A partitura da Sinfonia nº1 passou por um longo processo de elaboração que se arrastou por mais de vinte anos. A peça foi iniciada em 1854, após o encontro de Brahms com Schumann e só foi retomada e concluída em 1876. O compositor fez, de última hora, alterações nos dois movimentos centrais. A Sinfonia nº1 marca um ponto culminante desse gênero no Romantismo. Logo após a sua estreia, o maestro Hans von Bülow a denominou a Décima, aludindo à continuidade que ela representava em relação às nove sinfonias de Beethoven.

BILHETERIA

Publicidade

Os ingressos para o concerto custam R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia) e podem ser adquiridos pelo site: https://shre.ink/ojeingressos

A temporada da Orquestra Jovem do Estado conta com patrocínio do Bank Of America, Constellation Asset Management, Machado Meyer Advogados, Sabesp, AstraZeneca, DesenvolveSP, Crédit Agricole Corporate e Investment Bank e Cultura Inglesa por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e é uma realização da Santa Marcelina Cultura, Secretaria da Cultura e Economia Criativa de São Paulo, Governo do Estado de São Paulo, Ministério da Cultura e Governo Federal.

Publicidade

TRANSMISSÃO AO VIVO 

O concerto será também transmitido ao vivo gratuitamente pelo canal de YouTube da EMESP Tom Jobim www.youtube.com/tjemesp

Publicidade

SERVIÇO

ORQUESTRA JOVEM DO ESTADO NA SALA SÃO PAULO

Cláudio Cruz, regência

Emmanuele Baldini, violino

PROGRAMA

JOHANNES BRAHMS (1833-1897)

Concerto para violino em Ré maior, Op. 77

Sinfonia nº1 em Dó menor, Op. 68

I. Un poco sostenuto – Allegro – Meno Allegro

II. Andante sostenuto

III. Un poco allegretto e grazioso

IV. Adagio – Più Andante – Allegro non troppo, ma com brio – Più Allegro

ORQUESTRA JOVEM DO ESTADO DE SÃO PAULO 

Referência tanto por seu bem-sucedido plano pedagógico quanto por sua cuidadosa curadoria artística, a Orquestra Jovem do Estado é sinônimo de excelência musical no Brasil. Desde sua reformulação, em 2012, a Orquestra passou a ter uma exigente programação artística aliada a um novo plano pedagógico elaborado pela Santa Marcelina Cultura, o que ocasionou um expressivo salto de qualidade do grupo. A Santa Marcelina Cultura convidou Cláudio Cruz em 2012 para assumir a direção musical e a regência principal da Orquestra, que hoje apresenta uma marcante identidade sonora, com uma forte coesão interna que permite a construção de repertórios cada vez mais desafiadores técnica e estilisticamente. Esse resultado é fruto também da abrangência das atividades pedagógicas propostas, que formam e inspiram os jovens instrumentistas. Ciente da importância da vivência internacional para a formação dos jovens músicos, a Orquestra realiza regularmente turnês no exterior. Com atuações elogiadas pelo público e crítica internacional, o grupo já se apresentou em importantes salas de concerto, como o Lincoln Center, em Nova York, o Kennedy Center, em Washington e a Konzerthaus, em Berlim – além de ter participado como orquestra residente do Festival Berlioz, na cidade natal do compositor francês, La Côte-Saint-André, interpretando a Sinfonia Fantástica.

ESCOLA DE MÚSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO – EMESP TOM JOBIM 

Referência no ensino brasileiro de música, a EMESP Tom Jobim é uma escola do Governo do Estado de São Paulo gerida pela Santa Marcelina Cultura, Organização Social parceira da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. Atende gratuitamente mais de 1.300 alunas e alunos em seus cursos e habilitações em música popular e erudita, da teoria à prática musical. Em 2019, a EMESP Tom Jobim comemorou 30 anos de atuação. A Escola tem como objetivo a formação dos futuros profissionais da música erudita e popular. Com um corpo docente altamente qualificado, a EMESP Tom Jobim vem construindo um projeto pedagógico inovador, com foco no ensino de instrumento, no convívio dos alunos com grandes mestres e nas práticas coletivas (música de câmara e prática de conjunto), além de disciplinas teóricas de apoio. Em constante diálogo com as principais instituições de formação musical do Brasil e do mundo, a EMESP Tom Jobim oferece a cada ano centenas de shows, concertos, workshops e master classes. A EMESP Tom Jobim mantém um eixo de difusão artística complementar às atividades de formação com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de seus alunos e criar uma ponte entre o aprendizado e a profissionalização, além de fomentar a formação de público e a difusão da música em todas as modalidades. A Escola mantém os grupos artísticos: Banda Sinfônica Jovem do Estado, Coral Jovem do Estado, Orquestra Jovem do Estado e Orquestra Jovem Tom Jobim que oferecem bolsas para as alunas e os alunos da Escola.

SANTA MARCELINA CULTURA 

Eleita a melhor ONG de Cultura de 2019, além de ter entrado na lista das 100 Melhores ONGs em 2019 e 2020, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa que atua com a missão de formar pessoas. Criada em 2008, é responsável pela gestão do Guri na Capital e Grande São Paulo, da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim) e do Theatro São Pedro. Desde 2022, é responsável pela gestão do Projeto Guri no Interior, Litoral e Fundação CASA. O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. No Theatro São Pedro, a Santa Marcelina Cultura desenvolve um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro. Para acompanhar a programação artístico-pedagógica do Projeto Guri, da EMESP Tom Jobim e do Theatro São Pedro, baixe o aplicativo da Santa Marcelina Cultura. A plataforma está disponível para download gratuito nos sistemas operacionais Android, na Play Store, e iOS, na App Store. Para baixar o app, basta acessar a loja e digitar na busca “Santa Marcelina Cultura”. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.