Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Patricia Lages
Publicidade

Falta de perdão pode ser causa de doenças físicas

Estudo revela que quem tem mais dificuldade de perdoar apresenta histórico de problemas cardiovasculares

Patricia Lages|Patricia LagesOpens in new window


Depois de ouvir muitos pacientes queixando-se de sentir “dor no coração” ao lembrarem de assuntos que os magoaram, a psicóloga Susana Avezum, com 40 anos de experiência na área, resolveu ir a fundo em uma pesquisa que associava a capacidade de perdoar às doenças cardiovasculares.

De 2016 a 2018, Avezum analisou os perfis de 130 pacientes – metade sem problemas cardíacos e metade que sofreu infarto do miocárdio – e percebeu que sua intuição estava correta. O resultado do estudo foi apresentado no 40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, em 2019, e revelou que os pacientes com mais dificuldade de perdoar apresentavam histórico de problemas cardiovasculares.

RESUMINDO A NOTÍCIA

  • Guardar mágoa pode causar doenças físicas e psicológicas
  • Doenças cardiovasculares estão ligadas a maus sentimentos
  • Perdoar é sinal de força e não de fraqueza
  • Perdão como gerador de paz interior

A pesquisa também apontou que 31% dos pacientes infartados relatavam uma perda significativa de fé, enquanto entre os saudáveis, o índice foi de apenas 9%. “Lembranças ruins provocam estresse e isso prejudica nosso corpo. Ruminar os acontecimentos antigos faz com que eles se tornem presentes e, todas as vezes que você relembra, sente tudo de novo. O efeito prolongado disso vai bombardeando o organismo com substâncias que podem prejudicar a saúde ao longo do tempo”, conclui a psicóloga.

Publicidade

Érica Belon, pós-graduada em Neurociência e Comportamento concorda com a conclusão, pois para a mente humana não existe passado e futuro, tudo é processado como hoje. “Se você contar uma história [triste] que aconteceu há dez anos, você chora e se emociona, porque para o cérebro está acontecendo agora”, declara.

Tomando veneno esperando que o outro morra

Publicidade

Em relação à mágoa, a neurocientista explica: “Você brigou com uma pessoa vinte anos atrás, ao encontrá-la, automaticamente o seu cérebro vai buscar informações se há alguma história com aquela pessoa. Ao ‘abrir a gaveta’ e ver que aquela pessoa lhe traiu, a sua mente resgata esse sentimento e o transforma em emoção. Se o sentimento é de tristeza, a emoção será o choro, se é raiva, a emoção é bater, gritar. Tudo isso é processado fisiologicamente usando alguns hormônios, cortisol, adrenalina e noradrenalina, que viram uma ‘bomba’ dentro do seu corpo.”

Belon também destaca que, ao não perdoar quem lhe ofendeu, a pessoa magoada fica revivendo repetidamente esse ciclo, alimentando o que classifica como “célula de veneno” ou “caldinho de câncer”.

Publicidade

Geralmente, a dificuldade de perdoar vem do pensamento de que esquecer a ofensa significa permitir que o outro saia ileso do mal que causou. Porém, a consequência – tanto física quanto psicológica – é totalmente oposta, pois seria equivalente a tomar uma dose de veneno todos os dias esperando que o outro morra.

Os efeitos da mágoa a longo prazo

Para Pedro Graziosi, médico cardiologista, a relação de mágoas e sentimentos negativos como nosso estado mental e físico é, muitas vezes, direta. “Existem reações que independem de nossa vontade a situações de estresse agudo, como um assalto ou uma discussão, em que a pressão arterial se eleva, a frequência cardíaca aumenta e podem ocorrer palidez e sudorese”, explica.

No artigo “Perdoar é preciso”, publicado no portal do Hospital Oswaldo Cruz, Graziosi reforça que, embora o perfil psicológico possa ser um fator de risco para doenças cardiovasculares, elas também podem estar conectadas a algum transtorno emocional. “Observo no consultório que muitas das queixas que geram suspeitas de doenças cardiológicas são de cunho puramente psicológico – ou são exacerbadas pelo perfil emocional do paciente”, completa.

Perdoar é uma decisão racional

Para o cardiologista americano David Fischman, as pessoas que decidem odiar em vez de perdoar, o fazem por sentir que estão no controle da situação e que isso é uma demonstração de força. Mas ao contrário disso, o perdão exige muito mais força, pois trata-se de enfrentar sua dor mais profunda.

Assim como odiar é uma decisão baseada no que o outro fez, perdoar também é uma decisão, porém, baseada em uma escolha inteligente de quem não quer arrastar o peso de um sofrimento passado por todo seu futuro.

Em uma matéria para o site de psicologia A Mente é Maravilhosa, a filóloga espanhola Raquel Lemos Rodríguez destaca que “quando perdoamos, o fazemos em função do que o outro fez, isto é, não é uma justificativa das suas atitudes. O fato de perdoar a outra pessoa tem muito mais a ver com a sua resposta do que com o que o outro fez”. Ou seja, perdoar é estar no controle da situação e não o contrário. “Quando você perdoa, apesar de não esquecer, sente uma paz interior que o liberta e o faz sentir-se bem. Não há espaço para o rancor, nem para o ódio. Tudo está em equilíbrio”, afirma Rodríguez e completa: A vida se torna muito mais fácil quando você aceita as desculpas que nunca chegaram.”

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.