Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Entretenimento – Música, famosos, TV, cinema, séries e mais
Publicidade

Sertanejos arriscam a vida na estrada e realizam mais de 20 shows por mês

Rotina exige dos cantores deslocamentos pelo País em condições nem sempre favoráveis

Pop|Helder Maldonado, Do R7


Cristiano Araújo foi vítima de um acidente fatal em 24 de junho
Cristiano Araújo foi vítima de um acidente fatal em 24 de junho

O acidente que resultou na morte do cantor Cristiano Araújo fez surgir um debate entre a classe artística, principalmente no que diz respeito ao segmento sertanejo: as agendas lotadas, os deslocamentos para realizar mais de um show por noite e a vida na estrada são fatores que impulsionam esse tipo de tragédia?

A questão foi levantada inicialmente pela dupla Henrique & Juliano, que fez um apelo emocionado ao mercado em um post no Instagram: "Tenhamos calma, meus colegas de trabalho. O acelerador da agenda de shows às vezes não tem limite de velocidade e o preço sai muito mais caro que o nosso cachê".

Cristiano Araújo e Allana: uma história de amor abreviada pela tragédia na BR-153

A crítica leva em consideração a agenda atribulada dos artistas na atualidade. Dentro do sertanejo, é normal que cantores em ascensão, como era o caso de Cristiano Araújo, tenham uma rotina com cerca de 20 eventos mensais, enquanto nomes consagrados priorizam um cotidiano menos puxado. 

Publicidade

Para dar conta dessa demanda, algumas vezes são agendadas duas apresentações na mesma noite em cidades próximas para aproveitar a logística e diminuir os custos. 

Relembre a trajetória de Cristiano Araújo, um dos cantores sertanejos mais amados do Brasil

Publicidade

Aliada à agenda de divulgação em rádios e gravações em estúdio, a rotina de um artista exige deslocamentos em condições nem sempre seguras, confortáveis e ideais. Marrone, que já foi vítima de um acidente de helicóptero em 2011 e se ausentou dos shows por alguns meses, comenta que isso faz com que músicos se arrisquem até de forma inconsciente. À época, a assessoria da dupla fez um show na noite de 1º de maio em Curitiba. Marrone voltava para São Paulo para ver a filha, quando ocorreu o acidente.

— Estou muito triste com essa fatalidade. Nunca esperamos que vidas sejam interrompidas tão brutalmente. Nós, que estamos cada dia em um lugar, na estrada, arriscamos nossas vidas sem perceber, muitas vezes só pra dormir em casa e ver a família. Peço a Deus que conforte o coração das famílias dele, da Alana, e de todos os fãs que, sem dúvida, assim como nós, estão sofrendo muito neste momento.

Publicidade
Marrone passou por um acidente de helicóptero
Marrone passou por um acidente de helicóptero

Wagner Hildebrand, empresário do Grupo Tradição, que revelou o cantor Michel Teló, ressalta que é difícil mudar essa rotina inerente às carreiras artísticas. Mas alerta que medidas de segurança devem ser cumpridas pelas equipes que produzem shows.

— Vivemos nos deslocando de um show para o outro. Quando não estamos na estrada entre uma apresentação e outra, fazemos divulgação e muitas vezes estamos às 6h da manhã nas rádios ou emissoras de TV. A estrada é nossa casa. A vida do artista é essa. Mas a rotina não pode fazer com que a gente deixe a segurança de lado. É preciso antes de tudo valorizar a vida.

Wagner recorda que, durante os 20 anos da banda, enfrentou acidente na estrada apenas uma vez. No final de 1996, o ônibus que transportava o Tradição da cidade sul-mato-grossense de Três Lagoas para a capital Campo Grande perdeu a direção, capotou e se arrastou na pista por mais de 100 m. Felizmente, ninguém se machucou.

— Na intenção de ser pontual, muitas vezes o artista viaja na madrugada em vez de descansar. E isso aumenta as chances de uma tragédia, sem dúvida.

Para diminuir os riscos dos traslados, Maria Cecília, da dupla com Rodolfo, conta que a rotina da dupla hoje é bem mais organizada do que no início da carreira, quando chegaram a fazer até 26 shows em um mesmo mês.

Maria Cecília e Rodolfo: "Melhor remédio para a voz é o sono"
Maria Cecília e Rodolfo: "Melhor remédio para a voz é o sono"

— Como somos um casal, também nos preservamos mais. Se der para dormir na cidade, é sempre melhor. Até porque descansar e não passar por situações de risco tem tudo a ver com a qualidade dos shows que apresentamos. Tocar duas vezes numa mesma noite nunca é o ideal. O melhor remédio para a voz do cantor é o sono, não tenha dúvida.

Agendas mais cheias dos sertanejos em julho

Henrique e Juliano - 24 shows

Eduardo Costa - 15 shows

Jads e Jadson - 20 Shows

Luan Santana - 16 shows

Gusttavo Lima - 16 shows

Jorge e Mateus - 16 shows

Assista gratuitamente à programação da Record no R7 Play e saiba mais sobre o caso

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.