Logo R7.com
Logo do PlayPlus
RPet
Publicidade

Posso dar chá para o meu pet? Saiba o que é permitido  

Anti-inflamatório, calmante e controle da ansiedade; veja quais são as infusões que podem auxiliar na saúde do animal

RPet|Marcela Virgulino*, do R7


Pets podem beber chá de duas a três vezes na semana, com moderação
Pets podem beber chá de duas a três vezes na semana, com moderação

Prática oriental que teve sua origem na China, o chá é uma bebida preparada com a infusão de folhas, flores e água e que extrai variados sabores e tonalidade de cores, além dos benefícios em geral para a saúde. Tutores podem oferecer o líquido aos pets? O RPet conversou com duas especialistas para saber se é permitido dar chá aos nossos amigos de estimação.

Especialista no tema e em atendimento domiciliar, a veterinária Ingrid Prusch explica que “os pets podem tomar chá, sim, inclusive eles se beneficiam muito desse hábito". E completa: "Quando estão na natureza, os animais têm contato com a grama e com outras plantas que eles podem usar, mas, como dentro de casa eles não têm mais esse contato, os chás trazem esses benefícios à saúde”.

Para a veterinária Luciana Balbo, especialista em nutrição animal, a variedade da bebida é grande e ela poder ser dada aos animais. "Infelizmente ainda não se conhece a segurança de todos os chás, mas temos uma grande variedade que é segura e traz grandes resultados, como o chá de espinheira-santa, que ajuda a aliviar náusea e a controlar o pH gástrico".

Benefícios na dieta animal

Luciana afirma que os chás "podem auxiliar nos processos digestivos, em caso de desconforto intestinal, como cólica ou flatulência, e podem estimular o sistema imunológico, circulatório e endócrino". 

Publicidade

"O chá-verde, sem cafeína, pode auxiliar cães idosos e ajudar na prevenção de doenças da senilidade, como a disfunção cognitiva. Outros podem auxiliar nos processos inflamatórios, como o chá de gengibre. Já os chás de lavanda e camomila possuem benefícios para cães ansiosos e ajudam no relaxamento", informa Luciana.

"Alguns chás também podem ser utilizados de maneira tópica, na forma de spray, para aliviar quadros de coceira e auxiliar na recuperação da integridade da pele, como o chá de camomila", afirma Luciana.

Publicidade

Ingrid conclui: "Podemos fazer algumas infusões para banhos, que, além dos efeitos positivos do relaxamento, evitam o surgimento de fungos e bactérias na pelagem dos pets".

Chá e seus benefícios

Boldo: atua nos problemas com digestão;

Calêndula: utilizado para cicatrizar machucados e ferimentos;

Camomila: age no combate contra insônia, ansiedade e estresse;

Capim-limão: insônia, ação antimicrobiana e alívio das dores;

Erva-doce: indicado para ansiedade;

Espinheira-santa: alivia sintomas de náuseas e azia;

Gengibre: indicado para tratamentos anti-inflamatórios;

Lavanda: calmante para os pets e no combate contra a ansiedade;

Valeriana: propriedades calmantes e sedativas.

Cães

Nem todos os chás estão liberados para os felinos
Nem todos os chás estão liberados para os felinos

“Para os cães, é mais tranquilo, eles têm mais opções de chás para tomar, como: hortelã, erva-doce, camomila, boldo, gengibre, capim-limão, erva-cidreira, calêndula, até o chá-verde eles podem tomar, só tem que cuidar para ser descafeinado”, explica Ingrid.

Gatos

Para as veterinárias, tutores de gatos devem ficar atentos quanto aos tipos de chá que vão oferecer, pois nem todos fazem bem para a saúde dos felinos.

Luciana explica: "Precisamos ter um cuidado maior, porque os felinos apresentam dificuldade para metabolizar alguns compostos e certos tipos de planta, o que pode resultar em intoxicação".

"Eles podem tomar chá de gengibre, chá de erva-do-gato, camomila, os mais suaves e leves", completa Ingrid.

Chás proibidos

Ingrid alerta: “O problema são os chás com cafeína, que representam um grande perigo para os pets. É importante que os tutores fiquem atentos".

• Chá-verde

• Chá-preto

• Chá-mate

• Chá-branco

• Chá oolong

• Chá de hibisco

• Blends (infusões misturadas com ingredientes variados)

Luciana esclarece que nem todo blend é ruim. Certas misturas de infusões podem ser consumidas. "Algumas combinações são bem interessantes, principalmente quando buscamos a sinergia entre os efeitos; para um pet mais ansioso, o blend de capim-cidreira e camomila tem o efeito potencializado. Quando precisamos otimizar a digestão e aliviar azia, podemos utilizar o de espinheira-santa e hortelã com os cães."

Como preparar?

Ingrid avisa que o preparo é "o mesmo: colocar a água em uma chaleira, esperar esquentar e deixar o chá descansando para liberar as propriedades dele, até a hora de servir. O ideal é que a bebida esteja em temperatura ambiente ou fria, para evitar queimaduras". 

Outro aspecto é a frequência. "É Importante oferecer a bebida com moderação, de duas a três vezes na semana e sem adoçar."

"Para os animais com tendência à formação de cálculos, os tutores devem evitar os chás de gengibre, erva-doce e chá-verde, mas o chá de quebra-pedra é uma opção. Inclusive é possível incluir pedacinhos de frutas para melhorar o sabor", completa Luciana.

* Estagiária do R7, sob supervisão de Karla Dunder

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.