Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 VIRTZ
Publicidade

Autista de 43 anos paga pela primeira vez almoço para a mãe após conseguir emprego

O jornalista e comediante Gabriel Fuh celebrou o feito de seu irmão, Fábio Fuhrmann, e vídeo viralizou

Virtz|Do R7

Autista de 43 anos paga pela primeira vez almoço para a mãe após conseguir emprego
Autista de 43 anos paga pela primeira vez almoço para a mãe após conseguir emprego Autista de 43 anos paga pela primeira vez almoço para a mãe após conseguir emprego

Uma história de um autista, chamado Fábio Furhmann, de 43 anos, que usou o salário do primeiro emprego com carteira assinada para pagar o almoço para a mãe, viralizou na web nesta segunda-feira (15). O vídeo foi postado nas redes sociais pelo irmão do rapaz, o jornalista e comediante Gabriel Fuh, que celebrou a conquista e se mostrou todo orgulhoso, e já teve mais de 5,2 milhões de visualizações só no Twitter.

"E hoje, pela primeira vez, meu irmão pagou o almoço de Dia das Mães", contou ele. "Por que eu posto aqui, além das minhas redes mais pessoais? Dois motivos: o primeiro é o orgulho absurdo que eu sinto do meu irmão por essas conquistas. Quero externar pro mundo todo. O segundo é o tanto de pais de crianças no espectro, que me respondem com esperanças renovadas", completou.

· Compartilhe esta notícia no Whatsapp

· Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Gabriel já tinha celebrado quando o irmão foi contratado. "Hoje, meu irmão, 43 anos, autista, iniciou uma jornada: seu primeiro emprego CLT. Nem em sonhos, eu ou minha mãe, pensamos que ele pudesse ser integrado dessa forma. E o eterno menino, realiza o sonho de quase todas as crianças, de trabalhar na loja de brinquedos! Inclusão", escreveu.

A mãe de Gabriel e de Fábio também postou o vídeo do almoço e se manifestou no Instagram. "E, aqui, o momento emocionante do Fábio pela primeira vez poder dividir o almoço do Dia das Mães com o irmão, sempre foi o irmão que pagou. A alegria dele demonstra como é significativo poder oferecer o almoço de Dia das Mães com seu próprio salário, do seu primeiro emprego. Espero que em um futuro próximo todos neurodivergentes tenham a mesma oportunidade e possam viver a mesma alegria que meu filho. Direito de ser, de pertencer. Isso é inclusão!", declarou.

Cadeirantes driblam limitação, fazem espetáculo de dança incrível e arrancam aplausos do público

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.