Tradicional Galo da Madrugada vem para São Paulo na terça de Carnaval

Cerca de 100 pessoas do Recife vêm para a capital paulista para realizar o cortejo, entre passistas, músicos e técnicos. Fafá de Belém vai cantar no bloco 

Tradicional em Recife, Galo da Madrugada vai estrear Carnaval de São Paulo

Tradicional em Recife, Galo da Madrugada vai estrear Carnaval de São Paulo

ARNALDO CARVALHO/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO

A grande demanda do carnaval paulistano tem resultado na "importação" de blocos forasteiros, majoritariamente do Rio, mas também de outros estados. Entre eles, o principal estreante deste ano é o Galo da Madrugada, que trará na terça-feira, 25, cerca de cem pessoas do Recife para realizar o cortejo, entre passistas, músicos e técnicos.

O cortejo terá dois trios elétricos, um comandado por Gustavo Travassos, vocalista oficial do bloco, com participação da cantora Fafá de Belém, enquanto o outro contará com o cantor pernambucano André Rio.

Leia mais: Prefeitura recolhe 245 toneladas de lixo desde o pré-Carnaval de SP

As quatro esculturas do galo medirão de 3,5 metros a 4,5 metros e foram customizadas por artistas de Pernambuco. Uma acompanhará o desfile e as demais serão fixas.

"Não dá para levar o galo daqui, que tem 27 metros. Teria de montar aí", comenta Rômulo Meneses, presidente do Galo da Madrugada. "O Galo consegue transmitir essa imagem, difundir as músicas de Pernambuco", diz ele, que destaca os blocos associados em 14 Estados, como o Pinto da Madrugada, de Alagoas.

Veja também: No Carnaval, cinco homens são presos em arrastão na Faria Lima

Brasiliense

Outro estreante "forasteiro" é o Eduardo & Mônica, que desfilou pela primeira vez fora do Distrito Federal no sábado, trazido por uma produtora paulistana.

"É um bloco muito conceitual. O nosso som, a nossa música, é toda criada aqui. O repertório é de músicas de Brasília, do Legião Urbana, do Capital Inicial, da Cássia Eller, é um tributo a Brasília", define o músico Rony Meolly, de 36 anos, fundador do bloco. "Para ir a São Paulo, a gente procurou fazer algumas homenagens, com artistas de São Paulo, como Charlie Brown Jr.", comenta.

Leia ainda: Megablocos concentram multidão, patrocínio e encarecem carnaval

Outra adaptação foi se preparar para o cortejo, pois o bloco costuma se apresentar em palcos e não nas ruas.