Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Orquestra Ouro Preto rende tributo a lendas do Jazz

Com arranjos de Maurício de Souza e regência do Maestro Rodrigo Toffolo, concerto que faz homenagem plural ao gênero norte-americano...

Cartão de Visita|

Com arranjos de Maurício de Souza e regência do Maestro Rodrigo Toffolo, concerto que faz homenagem plural ao gênero norte-americano terá única apresentação no dia 22 de julho, às 20h30, no Sesc Palladium

Cartão de Visita - Entretenimento
Cartão de Visita - Entretenimento Cartão de Visita - Entretenimento

Créditos: Rapha Garcia

Miles Davis, Louis Armstrong, Cole Porter, Dave Brubeck e Count Basie são alguns dos mais notórios músicos e compositores da história do jazz que vão receber a musicalidade que marca a Orquestra Ouro Preto. Pautado pela excelência, o espetáculo “Lendas do Jazz” é um convite aos fãs da boa música a uma grande viagem pelo gênero, passando por temas de variados estilos jazzísticos, explorando toda a grandeza e diversidade que marcaram grandes clássicos do jazz. O concerto acontece no dia 22 de julho, às 20h30, no Grande Teatro do Sesc Palladium, em Belo Horizonte.

“Lendas do Jazz” é o segundo capítulo da trilogia que a Orquestra Ouro Preto realiza nesta temporada, projeto que visa permitir ao conjunto mineiro navegar por diversos gêneros que marcam a história da música sem se prender à obra de um único artista. “Lendas do Rock” deu início à série, que se encerra com um tributo à Black Music ainda neste ano.

Publicidade

O projeto que agora vem à luz aprofunda o diálogo da formação mineira com o gênero após a incursão na obra de Duke Ellington, que se transformou numa live em 2021 e em uma apresentação emocionante na temporada 2022, ambas com grande adesão não só dos fãs que acompanham a Orquestra ao longo de sua trajetória, assim como de apaixonados pelo jazz. A afinidade com o repertório foi imediata, versátil e popular, que brinda a plateia com um programa musical que exalta a virtuose em arranjos belíssimos. 

De acordo com Maurício de Souza, compositor que assina os arranjos, o projeto nasceu a partir da ideia de realizar um concerto em homenagem a Miles Davis, ícone da música do século XX que esteve na vanguarda de muitos desenvolvimentos do jazz. Mas esse desejo evoluiu e reorganizou as ideias em uma proporção maior, levando Souza e o maestro Rodrigo Toffolo a ampliarem a homenagem a outros grandes músicos que difundiram diversos movimentos dentro do jazz, tornando o espetáculo mais plural.

Publicidade

“Vamos fazer uma viagem pelo jazz a partir dos anos 1950, de Miles Davis para frente”, afirma Maurício, que vê neste projeto a oportunidade de reforçar para o público que o gênero, uma música que nasce popular, mas que depois se torna erudita, vai além do tom refinado. “Estamos tomando um cuidado muito grande com a escolha do repertório para que o concerto tenha uma força popular, mas sem perder o refinamento que a orquestra exige”, aponta.

“Lendas do Jazz” terá um repertório que contempla temas do quilate de So What, de Miles Davis; Take Five, composição icônica de Dave Brubeck que marcou o “modernismo do jazz”, nas palavras de Maurício de Souza. O repertório ainda inclui Birdland, sucesso da banda Weather Report, que tinha como integrantes o norte-americano Wayne Shorter e o austríaco Joe Zawinul; assim como clássicos que, de tão amados pelo grande público, já habitam o inconsciente coletivo, como What a Wonderful World, de Louis Armstrong, e Unforgettable, de Nath King Cole. 

Publicidade

Quanto à orquestração, o arranjador adianta que buscou preservar a força dos metais, uma das características do jazz, sobretudo do jazz moderno. Nesse sentido, o arranjador sugeriu a Rodrigo Toffolo, regente titular da Orquestra Ouro Preto, um concerto com seis sopros: dois trompetes, um trombone e três saxofones – alto, tenor e barítono. Ah, o piano também está garantido.

“A grande proposta é fazer uma orquestra basicamente de cordas, mas que soe jazzística. Não é o jazz na essência norte-americana, porque este é feito por americanos, assim como o samba brasileiro, na essência, só é feito aqui. Mas a gente vai fazer uma coisa muito legal”, promete Maurício de Souza, garantindo ao público um concerto bonito, divertido e com um jazz para encantar.

“Lendas do Jazz” prova, mais uma vez, que misturar faz muito bem, assim como trazer ao foco novamente compositores, músicos e artistas cujas obras são um grande desafio artístico. O público pode esperar mais um concerto que exalta a música de qualidade, com a assinatura da Orquestra Ouro Preto.

A ORQUESTRA 

Uma das mais prestigiadas formações orquestrais do país, a Orquestra Ouro Preto tem como diretor artístico e regente titular o maestro Rodrigo Toffolo. Premiado nacionalmente, o grupo vem se apresentando nas principais salas de concerto do Brasil e do mundo. Criada em 2000, a Orquestra Ouro Preto tem atuação marcada pelo experimentalismo e ineditismo, sob os signos da excelência e da versatilidade.

Em sua trajetória, destaca-se a presença em todo o território nacional e nas principais capitais do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Manaus, Curitiba, Porto Alegre, João Pessoa, Salvador e Natal. No exterior, sua qualidade foi comprovada em turnês de sucesso, com presença de grande público em apresentações na Inglaterra, Portugal, Espanha, Argentina e Bolívia.

Possui diversos trabalhos registrados em CD e DVD: “Latinidade” (2007), “Oito Estações – Vivaldi e Piazzolla” (2013), “Valencianas: Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto (2014)”, “Antonio Vivaldi – Concerto para Cordas” (2015), “Orquestra Ouro Preto – The Beatles” (2015), “Latinidade: Música para as Américas” (2016), “Música para Cinema” (2017), “O Pequeno Príncipe” (2018), “Suíte Masai” (2019), “Quem Perguntou Por Mim: Fernando Brant e Milton Nascimento” (2019), “Gênesis: João Bosco e Orquestra Ouro Preto” (2022) e “Valencianas II” (2022).

Em sua discografia, destaca-se o Prêmio da Música Brasileira 2015, na categoria Melhor Álbum de MPB, a indicação ao Grammy Latino 2007, como Melhor Disco Instrumental por “Latinidade”, e a distribuição mundial dos discos “Latinidade – Música para as Américas” e “Antonio Vivaldi – Concerto para Cordas” pela gravadora Naxos, a mais importante do mundo dedicada à música de concerto. Com foco na pesquisa e valorização de referências musicais, a Orquestra Ouro Preto tem como proposta a oferta de uma programação permanente e o desenvolvimento de repertório diversificado em gênero e época, buscando a formação e a ampliação de público.

SERVIÇO

Orquestra Ouro Preto: Lendas do Jazz

Data: 22 de julho de 2023

Hora: 20h30

Local: Grande Teatro do Sesc Palladium

Ingressos:www.sympla.com.br

Informações:www.orquestraouropreto.com.br

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.