Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Indústria de Hollywood fica paralisada com início da greve dos atores

Intérpretes e roteiristas pedem aumento de salário e garantias em relação ao uso de inteligência artificial

Cinema|Do R7

Atores e roteiristas de Hollywood estão em greve
Atores e roteiristas de Hollywood estão em greve Atores e roteiristas de Hollywood estão em greve

A indústria de Hollywood enfrenta a paralisação mais grave em 60 anos depois que os atores iniciaram uma greve nesta sexta-feira (14), unindo-se aos roteiristas que já estão parados há mais de dois meses, em uma disputa com os estúdios e plataformas de streaming para exigir aumentos salariais.

A greve convocada pelo comitê nacional do Screen Actors Guild (Sindicato dos Atores, SAG-AFTRA) dos Estados Unidos começou à meia-noite de quinta-feira (13) em Los Angeles (4h de Brasília, sexta-feira).

Os atores reivindicam melhorias salariais, um reajuste nos pagamentos que recebem pelas reexibições de suas produções, além de definições sobre o uso de inteligência artificial (IA) na indústria, entre outros pontos.

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

• Compartilhe esta notícia no Telegram

"Não temos opção", declarou Fran Drescher, presidente do SAG-AFTRA e estrela da série The Nanny, em um discurso enérgico para anunciar a convocação da greve contra os estúdios.

Publicidade

"Se não fizermos isso agora, todos vamos estar em apuros. Estaremos ameaçados de ser substituídos pelas máquinas e os grandes negócios", afirmou a líder do sindicato, que reúne mais de 160 mil atores e outros profissionais do cinema e da televisão.

Assim, atores e roteiristas — que protestam há 11 semanas nas entradas dos estúdios com exigências similares — unem suas forças e ameaçam paralisar por completo a indústria, o que não acontecia desde 1960 em Hollywood.

Publicidade

As duas categorias pedem um reajuste dos pagamentos pelas reexibições das produções, uma questão profundamente alterada pelo avanço das plataformas de streaming.

A Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP), que representa os estúdios e as plataformas de streaming, afirmou em um comunicado que ofereceu "aumentos históricos de salário e pagamentos residuais", além de respostas a outras demandas.

"Uma greve não era o que esperávamos... O sindicato, infelizmente, escolheu um caminho que vai criar dificuldades econômicas para milhares de pessoas que dependem da indústria", acrescentou.

O CEO da Disney, Bob Iger, disse à emissora CNBC na quinta-feira que as expectativas dos roteiristas e atores "não são realistas" e chamou a greve de "muito preocupante".

Paralisação da indústria

A paralisação dos roteiristas já havia reduzido a quantidade de filmes e programas em produção em Hollywood, mas, sem atores, a indústria será obrigada a parar quase completamente.

Apenas alguns reality shows, programas de auditório e de entrevistas poderiam continuar no ar. Mas as séries e outras produções de grande sucesso enfrentarão atrasos.

As estrelas também não participarão dos eventos promocionais de seus filmes.

A Comic-Con, um dos principais eventos anuais da cultura pop, marcado para a próxima semana, em San Diego, também pode ficar sem a presença de estrelas. O movimento sindical pode afetar ainda a presença dos atores da indústria americana em grandes festivais internacionais, como o de Veneza.

A cerimônia do Emmy, prevista para 18 de setembro, pode ser adiada para novembro ou até mesmo para 2024.

Crise existencial

Um dos principais pontos de divergência entre os sindicatos e os estúdios são os chamados pagamentos "residuais", efetuados todas as vezes que as plataformas transmitem uma produção da qual participaram.

Para os atores, a fórmula deve considerar a popularidade das produções na hora de realizar a compensação. Assim, um programa mais assistido geraria mais pagamentos "residuais".

Mas as plataformas de streaming, como Netflix e Disney+, mantêm sob sigilo as estatísticas de visualização e oferecem a mesma tarifa por tudo o que transmitem em seus catálogos, sem considerar a popularidade.

Além disso, tanto atores como roteiristas querem a regulamentação do uso futuro da IA na indústria, que veem como uma ameaça a seu trabalho.

A greve dupla confirma a crise existencial da indústria de Hollywood.

Na quinta-feira, muitos atores organizaram um protesto em Nova York.

"É doloroso e necessário", declarou à AFP Jennifer Van Dyck, atriz e integrante do sindicato. "Quando o CEO da Disney recebe 45 milhões de dólares e nós pedimos para receber apenas um salário decente, acredito que são eles que podem ser acusados de serem pouco razoáveis."

Efeitos especiais, Leo DiCaprio, Kate Winslet: cinco motivos para rever 'Titanic', que volta aos cinemas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.