Entretenimento Em campo de imigrantes grego, jovem afegã encontra força na arte

Em campo de imigrantes grego, jovem afegã encontra força na arte

ARTE-AFEGA-CENTRO-IMIGRANTES:Em campo de imigrantes grego, jovem afegã encontra força na arte

Reuters - Entretenimento

Por Karolina Tagaris

THIVA, Grécia (Reuters) - Em uma pequena sala de aula em um campo de imigrantes na Grécia, Roya Rasuli, de 18 anos, ensina um grupo de meninas a pintar. Para Rasuli, é também uma lição de empoderamento feminino.

"Qual é a sua mensagem para as mulheres, para as meninas?", pergunta Rasuli, que nasceu no Irã filha de refugiados afegãos, à classe.

"Ser forte!", uma das meninas grita.

Penduradas na parede azul atrás dela estão algumas das obras de arte de Rasuli, incluindo uma pintura da "Menina Afegã" de olhos verdes, cuja icônica foto de 1985 na National Geographic com um lenço vermelho se tornou um símbolo das guerras do Afeganistão. Rasuli a pintou sem boca.

"Eu queria mostrar como as mulheres são no Afeganistão porque elas não podem falar, ninguém as ouve e elas não têm direitos", disse Rasuli, com os dedos manchados de tinta preta.

"Acho que essa é a situação de muitas mulheres. Talvez na Síria, talvez no Iraque, talvez no Paquistão, talvez em algum país da Europa."

Rasuli nunca havia pegado em um pincel antes de chegar à Grécia há três anos, mas desde então aprendeu a desenhar sozinha.

Ela e cerca de 500 requerentes de asilo - a maioria afegãos - vivem no campo de Thiva, um dos dezenas montados em toda a Grécia desde a crise imigratória de 2015 na Europa, quando quase um milhão de refugiados e imigrantes fugindo da guerra e da pobreza no Oriente Médio e além chegaram ao continente através da Grécia.

Ela sai do acampamento às 5 da manhã para uma viagem de ônibus de uma hora e meia até a Escola de Belas Artes de Atenas para as aulas, onde espera receber uma bolsa de estudos para estudar em período integral.

"Mudei minha vida com minhas esperanças e meus sonhos", disse ela. "Vou tentar o meu melhor para mostrar a elas que elas podem fazer o que quiserem, para serem livres."

Últimas