Famosos e TV Belle Belinha faz 'test-drive' de beijo para testar batom de Virginia

Belle Belinha faz 'test-drive' de beijo para testar batom de Virginia

A influenciadora detonou o produto, em vídeo publicado no TikTok, e disse que ele não entrega nada do que promete

Resumindo a Notícia
  • Belle Belinha fez um 'test-drive' de beijo para testar o novo batom da Virginia.

  • 'Segundo a diva [Virginia] você pode beijar o quanto quiser que não vai sair', disse Belle.

  • Após fazer o "test-drive" com vários beijos, Belle detonou o produto.

  • 'Prometeu tudo e não entregou nada. Olha que big bomba', falou no TikTok.

Belle Belinha detona batom de Virginia após 'test-drive' de beijo

Belle Belinha detona batom de Virginia após 'test-drive' de beijo

Reprodução/Instagram

Belle Belinha viralizou nas redes sociais, na última quarta-feira (19), após fazer um "test-drive" com o novo batom da marca da Virginia. A influenciadora, que viralizou com vídeos gravados no bairro da Liberdade, resolveu ir até o local e beijar várias pessoas para o teste.

"Vou testar o batom da Virginia, porque, segundo a diva, você pode beijar o quanto quiser que [o batom] não vai sair. Vou deixar até aí para vocês verem que não é mentira", começou, no vídeo publicado no TikTok.

"Vou testar e ver se é bom ou não é. Aqui diz que é super confortável, cor é alto impacto, longa duração, à prova d'água. Se a minha boca ficar seca igual a minha base, eu mato essa Virginia. Vou esperar secar e já vou ali para o rolê ver se realmente funciona", continuou.

Após fazer o "test-drive" com vários beijos, Belle desaprovou o produto: "Prometeu tudo e não entregou nada. Olha que big bomba: prometeu durar, não durou, prometeu fixação, não fixou, prometeu secar e não secou. Quando já estava meio assim, ficou tudo craquelado, uma big bomba, super chateada, achei muito caro. R$ 40 parece centavos, né?".

Doença do beijo

A mononucleose infecciosa, conhecida como "doença do beijo", é causada pelo vírus Epstein-Barr e é transmitida principalmente pela saliva.

A infectologista Ana Rachel Rodrigues contou ao R7 que a doença é mais comum entre crianças, principalmente quando elas começam a frequentar a creche ou a pré-escola, e adolescentes. No entanto, também pode ocorrer na fase adulta, principalmente entre os 15 e os 25 anos.

De Simone Tebet a Belle Belinha: brasileiros que são sósias de estrelas da música e você não sabia

Últimas