Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Deborah Secco: "Sou uma atriz que enche o saco"

A musa da TV fala o que a motivou a trabalhar como produtora de seu novo filme, "Boa Sorte"

Famosos e TV|Alvaro Leme, colunista do R7

Deborah, em "Boa Sorte": papel de soropositiva usuária de drogas mostra lado mais denso da atriz
Deborah, em "Boa Sorte": papel de soropositiva usuária de drogas mostra lado mais denso da atriz Deborah, em "Boa Sorte": papel de soropositiva usuária de drogas mostra lado mais denso da atriz

Deborah Secco quer ser séria. Explico: ainda que, ao longo de 26 anos de carreira, ela tenha encarnado personagens bastante variados, o grande público costuma se lembrar mesmo é de seus papéis de maior carga sexual – pode testar, pedindo a um punhado de amigos para citar alguns, e você ouvirá falar em Bruna Surfistinha, Natalie Lamour e similares. Assim, como já aconteceu a outras atrizes muito bonitas que se desdobraram para mostrar que têm outros atributos a oferecer, ela está determinada a fortalecer o que chama de carreira “mais autoral”.

Nesse sentido, Deborah deu um salto importante com o filme “Boa Sorte”, de Carolina Jabor, exibido pela primeira vez ontem à noite, no festival de cinema de Paulínia. No drama, adaptado de um conto de Jorge Furtado, vive uma soropositiva, usuária de todo tipo de droga e internada numa clínica de reabilitação. Ela está feia nas cenas? Não, apesar de usar maquiagem beeem discreta, que em alguns casos até realça olheiras, e de ter emagrecido onze quilos para o trabalho – aliás, a cena em que mergulha numa piscina só de calcinha tem ar de “instant classic”. Apesar do “fardo” da beleza, o longa consegue mostrar um lado seu pouco explorado, mais denso e sofrido do que veríamos numa novela. Antes da exibição, a atriz declarou que é seu primeiro passo rumo à atriz que sempre quis ser.

Após o filme, de vestido Valentino, sapatos Saint Laurent, e já com os 55 quilos de costume, ela conversou com o R7.

O que quis dizer com “primeiro passo rumo à atriz que quero ser”?

Publicidade

Que quero fazer trabalhos que se pareçam menos uns com os outros, ser menos acomodada.

Não é ser muito dura com você mesma dizer que é uma atriz acomodada?

Publicidade

O que quero dizer é que agora estou conseguindo deixar minha carreira mais autoral. Fazer personagens que realmente queria e não apenas por precisar aceitar. Se pudesse escolher desde o início, teria feito mais cinemas e emendado menos novelas.

Você assina também como coprodutora. Em que partes do filme tem seu dedo?

Publicidade

Em “Bruna Surfistinha”, apesar de não assinar, descobrimos depois de pronto que eu tinha coproduzido também, de tanto que me envolvi. No “Boa Sorte”, acompanhei todo o processo de finalização, ajudei a decidir sobre a trilha, o trailer, a arte, fotografia, figurino... Normalmente, o ator tem que chegar, ensaiar, rodas suas cenas e ir embora sem encher o saco da produção. Como sou uma atriz que enche o saco, quis entrar na produção para pelo menos ter um álibi. Para mim, produzir é uma necessidade que sinto de me meter onde não sou chamada.

Tem vontade de dirigir algum filme?

Ai, acho que não. É uma responsabilidade muito grande. Meu sonho é viver vidas e olhar o mundo com olhos diferentes dos meus. Uma hora a Judite já era tão minha que eu queria definir a roupa dela, como era o quarto. Isso já é de um valor enorme para o ator.

Emagrecer tanto não deixou você doente?

Só quando acabou a dieta e era hora de voltar à realidade: depois de semanas comendo muito pouco, em geral coisas sem gosto como berinjela sem sal e tofu, desobedeci ordens médicas e fui comer feijoada. Tive intoxicação com tudo que comia. Mas durante a perda de peso tive acompanhamento do infectologista David Uip, atual secretário de saúde do estado de São Paulo. Percebi que me sentia muito melhor com a alimentação regrada, mas que a vida é muito curta e meu fim seria muito triste se estivesse há um ano sem brigadeiro. A Judite me fez pensar muito no que faria se fosse morrer daqui a uma semana.

E o que você faria se fosse morrer daqui a uma semana?

Coisas muito pessoais. Não gostaria de dividir.

O que você descobriu sobre a aids ao fazer esse papel?

Números assustadores. Os índices de contaminação no nosso país aumentaram 11%, enquanto caíram na maior parte do mundo. A taxa de mortalidade subiu 7%. A aids amedrontou uma geração inteira, que por isso se protegeu, mas tem gente que não viveu essa fase. Conheceu apenas a fase em que os remédios ajudam a manter o vírus sob controle. Não à toa, um terço dos contaminados tem entre 15 e 24 anos. Esse assunto precisava voltar a ser abordado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.