Discurso de Joaquin Phoenix no Oscar emociona Luisa Mell

Vencedor do prêmio de Melhor Ator por Coringa citou a angústia de vacas que têm seus bezerros capturados e levados para matadouros

Discurso de Joaquin Phoenix no Oscar emociona Luisa Mell

Discurso de Joaquin Phoenix no Oscar emociona Luisa Mell

Discurso de Joaquin Phoenix no Oscar emociona Luisa Mell

Reprodução/Instagram

Vencedor do Oscar 2020 de Melhor Ator por seu trabalho em Coringa, Joaquin Phoenix despertou a atenção de Luisa Mell. Num discurso emocionando na noite do domingo (9), entre tantos assuntos, o astro citou a exploração animal, dizendo sobre bezerros que são separados de suas mães pouco tempo depois do nascimento. Sem demora, a defensora dos animais se manifestou nas redes socias. 

"Para que muitos realmente entendam o discurso do maravilhoso Joaquim Phoenix ontem no Oscar. Aqui uma vaca correndo atrás de seu bezerro que está sendo levado ao matadoro. Durante cerca de 7 anos ela vive este inferno. É inseminada artificialmente e assim que nasce arrancamos seu bebê para roubarmos seu leite", escreveu ela. Junto à legenda, Luisa compartilhou um vídeo sobre o assunto.

Veja abaixo um trecho do discurso de Joquin Phoenix

Não me sinto acima de nenhum dos outros indicados ou de qualquer outra pessoa nesta sala. Todos nós compartilhamos o mesmo amor pelo cinema. Esse meio me deu tantas coisas extraordinárias que nem sei o que eu seria sem el. Mas acho que o maior presente que me deu, e a muitos nessa sala, é a oportunidade de usar nossa voz pelos que não têm. 

Seja falando sobre desigualdade entre gêneros, racismo, direitos LGBTQ+ ou indígenas, direitos dos animais, estamos falando sobre lutar contra a ideia de que uma nação, uma raça, um gênero ou uma espécie tem o direito de dominar, controlar, usar e explorar outros sem impunidade. Acredito que nos desconectamos demais do mundo natural, e nos sentimos culpados por ter uma visão egocêntrica, a crença de que estamos no centro do universo.

Entramos no mundo natural, roubamos seus recursos. Nos sentimos no direito de inseminar artificialmente uma vaca e então roubar seu bebê quando ele nasce, mesmo que seus gritos de angústia sejam perceptíveis. E então bebemos o leite que é destinado ao bezerro e colocamos em nosso café e cereal. Quando usamos amor e compaixão como nossos princípios, podemos criar, desenvolver e implementar sistemas de mudança que são benéficos para todos os seres e ao meio ambiente.

Fui um canalha minha vida toda. Fui egoísta, cruel às vezes, alguém difícil de trabalhar. Estou grato porque muitos aqui nessa sala me deram uma segunda chance. Acredito que estamos no nosso ápice quando apoiamos uns aos outros. Não quando nos cancelamos por erros passados, mas sim quando nos ajudamos a crescer. Educamos uns aos outros, e nos guiamos no caminho pela redenção.