Emicida é vítima de racismo e aciona Ministério Público

Rapper entregou um pen drive ao órgão com as denúncias 

Rapper foi ofendido nas redes sociais

Rapper foi ofendido nas redes sociais

Reprodução

Emicida foi alvo de injúria racial e ameaças nas redes sociais e acionou o MP-SP (Ministério Público) para investigar o caso nesta semana.

O procurador de Justiça Paulo Marco Ferreira Lima é um dos responsáveis pela apuração do fato, ao lado da delegada Barbara Lisboa Travassos. Ele repudia o episódio.

— Temos uma atitude que precisa ser combatida desde o começo. Podemos não gostar, mas é preciso respeitar.

R7 teve acesso ao ofício, que informa a entrega de um pen drive com as evidências de discriminação. O conteúdo não foi revelado pela Justiça.

— Tem como rastrear pela URL [endereço eletrônico do conteúdo]. Há como descobrir todos os dados da pessoa. Isso dá cadeia. Mais de uma pessoa ofendeu ele. As injúrias aconteceram em várias redes sociais do músico.

"Podemos não gostar, mas é preciso respeitar"
Paulo Marco Ferreira Lima, procurador de Justiça

Procurado, o rapper informou que não vai se manifestar sobre o episódio. 

Recentemente, o irmão do artista foi vítima de racismo em um evento de moda. Evandro Fióti foi impedido por seguranças de entrar na São Paulo Fashion Week durante o desfile da LAB (Laboratório Fantasma), marca na qual ele é dono junto com Emicida.