Luiz Bacci celebra oportunidade 'de ajudar presos inocentes' na TV

Novo programa do apresentador, 'Em Nome da Justiça', estreia nesta quinta-feira (30), às 22h30, na Record TV

Programa estreia nesta quinta-feira (30) às 22h30

Programa estreia nesta quinta-feira (30) às 22h30

Antonio Chahestian/Record TV

Luiz Bacci estreia nesta quinta-feira (30) à frente do Em Nome da Justiça. O programa, exibido às 22h30 na Record TV, vai analisar decisões judiciais de crimes que marcaram o Brasil e até hoje despertam dúvidas. 

O apresentador explica que a nova atração segue uma linha de investigação diferente do Cidade Alerta, também comandado por ele, e adianta o que o público pode esperar do programa.

"O Cidade Alerta é especializado em colocar gente na cadeia, mostra pistas que possam elucidar crimes e ajudar na solução desses casos. Agora é a oportunidade que a Record está me dando de ajudar pessoas presas inocentemente. São histórias de pessoas devastadas, que tiveram celular apreendido, intimidade revirada, casa periciada e que foram taxadas de assassinos ou outros tipos de crimes. O Cidade Alerta prende e o Em Nome da Justiça quer soltar inocentes."

Ao lado de Bacci, a criminóloga Ilana Casoy, uma das maiores estudiosas brasileiras do assunto, vai comentar os 12 casos que serão apresentados ao longo das semanas. 

"A Ilana teve contato com vítimas, Ministério Público, polícia, testemunhas e consegue tecer comentários preciosos, porque foi testemunha ocular de todas as investigações e vai falar quais as conclusões chegou. É a oportunidade de o público ir descobrindo aos poucos todos os detalhes da investigação que colaboraram para prender um inocente erroneamente", explica o jornalista.

Bacci também adianta que os casos expostos são "bem populares e assustadores" e dá detalhes da história que será exibida no episódio de estreia. "Mãe e filho ciganos foram presos durante 5 anos [acusados de matar a menina Giovanna dos Reis Costa, de 9 anos] e, neste caso, a Ilana a conclusão que já houve um pré-julgamento por causa da religião que eles seguem. Foram vários fatores que levaram a polícia a considerá-los culpados erroneamente."

O apresentador tem tido rotina dupla de trabalho. Ele concilia o Cidade Alerta com as gravações do Em Nome da Justiça. "Eu gravo o programa às quartas a noite. Termino o Cidade Alerta às 20h e vou para o estúdio gravar. É puxado mas tem valido a pena", garante.