Mãe de ex-'The Voice Kids' fala após morte do filho: 'Buscando forças'

"Tuca sonhava em ser um cantor famoso, queria ser reconhecido por todos", disse Matilde Azevedo com exclusividade ao R7

"Meu coração está sangrando", disse mãe de Tuca

"Meu coração está sangrando", disse mãe de Tuca

Reprodução/Facebook

Matilde Azevedo, mãe de Arthur Almeida, o Tuca Almeida, do The Voice Kids, assassinado a tiros na última quinta-feira (30), em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, falou com exclusividade ao R7 sobre o filho um dia após o sepultamento do garoto. Ainda abalada, ela tentou descrever o que tem passado desde que recebeu a notícia.  

"Meu coração está sangrando de dor, mas eu estou buscando forças com meu Deus e com Arthur também. Tenho certeza que ele que está mandando toda essa força que preciso", desabafou.

Não diferente do que se esperava, Matilde disse que todos em casa estão sofrendo, mas que ainda assim, precisa se manter firme porque "a dor e a saudade vão durar toda a eternidade", disse ela.

Tuca Almeida participou da primeira edição do programa, em 2018

Tuca Almeida participou da primeira edição do programa, em 2018

Reprodução/Instagram


Nesta entrevista, a mãe de Tuca contou que ela era muito apegada ao filho. "Todo mundo dizia que ele era o meu reflexo. Ele veio para esse mundo para ensinar as pessoas o que era o amor", disse. "Foi um menino que tentou brilhar mais do que ele brilhou, mas o tempo dele foi esse".

Matilde ainda relembrou com carinho o amor que o filho tinha pela música e de seu maior sonho. "Sonhava em ser um cantor famoso. Ele deixou uma letra de uma música linda que eu não cheguei a gravar. Só registrei a música com ele", revelou.

Maltide disse que sempre acompanhou o filho em tudo que era evento, programas de televisão, pequenos shows. "Meu filho só fez brilhar o tempo que passou aqui. Ele plantou o amor em cada lugar que ele foi", contou.

A mãe de Tuca encerrou a entrevista dizendo como o filho costumava descrever o mundo que vivia para as pessoas. "Ele falava para mim: 'Mãe, esse mundo é muito pequeno pra mim. Esse mundo é muito errado'". "Ele queria ser justo com todo mundo, ele queria pregar o jeito dele de Justiça com tudo e todos. E queria ser um talento reconhecido".

SOBRE O CASO

De acordo com informações da Polícia Civil, um grupo formado por seis homens encapuzados entrou em um estabelecimento comercial, efetuando disparos de arma de fogo. O grupo procurava, supostamente, pelo cunhado da vitima, que estava no local acompanhando o jovem e conseguiu fugir.

"Esse cunhado, pelas investigações iniciais, é um presidiário que se encontra no Xregime aberto por recente progressão de regime", informou a Polícia Civil em nota.

O caso seguirá sob responsabilidade da 12ª DPH, que tem o delegado Ícaro Schneider como titular. A PCPE só se pronunciará ao término da investigação, que não cessará até a devida elucidação e captura dos responsáveis.