Moraes Moreira, o amigo João Gilberto e Acabou Chorare

  Moraes Moreira começou tocando sanfona e ajudou a criar um dos melhores grupos e discos de toda música popular brasileira

Moraes Moreira morreu aos 72 anos no Rio de Janeiro

Moraes Moreira morreu aos 72 anos no Rio de Janeiro

ALE FRATA/ESTADÃO CONTEÚDO - 13/04/2020

Como toda boa história em que se imprime primeiro a lenda, um dos encontros entre João Gilberto e os Novos Baianos,  no início dos anos 70, no apartamento do grupo no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, ganhou contornos anedóticos e era uma das preferidas do guitarrista, cantor e compositor Moraes Moreira, um dos fundadores do grupo, que morreu subitamente nesta segunda-feira (13).

Numa noite, João Gilberto foi ao tal apartamento e tocou a campanhia. O baixista Dadi, o leãozinho de Caetano Veloso, incorporado à turma, teria visto João pelo olho mágico e gritado: "Pintou sujeira, é a polícia", assustado com aquela figura sisuda, de terno e gravata, onipresente figurino do pai da bossa nova.

Moraes Moreira adorava essa história, que ajuda, de certa forma, a ilustrar a importância dos Novos Baianos num cenário de efervescência pós-tropicalista.

João Gilberto não só se interessou rapidamente por aquele grupo de conterrâneos baianos - Moraes  nasceu em Ituaçu, onde seu primeiro instrumento foi a sanfona -  mas se tornou mentor do grupo, com influência marcante na concepção de Acabou Chorare, álbum que faz parte de qualquer lista dos melhores da história da música popular brasileira.

Um disco que produz faíscas de um improvável encontro entre Assis Valente e Jimi Hendrix. O que parecia fascinar João Gilberto era a recorrente utopia que os Novos Baianos materializava, a de um grupo musical que vivia numa espécie de comunidade criativa, sem amarras e em que tudo parecia ser possível. 

Moraes Moreira foi um dos propulsores dessa revolução e não deixou a bola cair em uma longeva carreira solo, iniciada em 1975, onde jamais esqueceu os parceiros de Novos Baianos, seus colaboradores frequentes.

Agregou gente do naipe de Dodô, Armandinho e Osmar. Suas composições foram trilhas para novelas, para Copa do Mundo de 1982 e seduziram os principais interpretes do País e os melhores parceiros. Moraes fez sua revolta de ritmos e sons. Acabou chorare.