Música 'Onda' foi escrita para 'ser grande', diz Malía sobre hit com Léo Santana

'Onda' foi escrita para 'ser grande', diz Malía sobre hit com Léo Santana

Cantora, que começou a carreira em um coletivo em Madureira, no Rio, é hoje uma das vozes mais promissoras da cena urbana

  • Música | Ricardo Pedro Cruz, do R7

Malía acredita que música é oportunidade para mostrar outros lados da personalidade

Malía acredita que música é oportunidade para mostrar outros lados da personalidade

Divulgação/Rogério Von Kruger

Malía mergulhou na mistura entre o pagode baiano e o funk carioca no single Onda, que conta com a participação do cantor Léo Santana. A música, que também acaba de ganhar um clipe, já está disponível nas principais plataformas de streaming. A cantora, que começou a carreira em um coletivo no bairro de Madureira, no Rio de Janeiro, é hoje uma das vozes mais promissoras da cena urbana. 

Em conversa com o R7, a artista contou que a canção foi escrita "para ser grande" e, ainda, uma declaração de amor a outras mulheres que a inspiram na vida e no trabalho. "Ela mostra um lado meu que eu amo e mostrei pouco, gosto muito dessa sensação. Eu acho que para você mostrar quem é você leva tempo. Não tem como mostrar para as pessoas quem você é logo de primeira. Então, assim como na vida, na música também tem etapas para mostrar a sua persona artística." 

Segundo Leo Santana, a expectativa para a recepção do público não poderia ser melhor. "Fazer esse feat com a Malía foi uma honra. Ela é uma artista incrível, sempre admirei muito o trabalho dela. Já tínhamos contato através das redes e acompanhava as produções dela. A Malía é uma artista completa, a música é maravilhosa e o clipe ficou lindo. Nossa sintonia foi ímpar", disse o cantor.

No clipe, Malía interpreta quatro personagens. Com looks inspirados em mulheres fortes e muita sensualidade, a artista transita entre referências extremamente urbanas e a estética musical de Rihanna. A produção audiovisual conta com a direção de Matheus Senra.

Influências musicais

Projeto foi pensado desde o início para contar com a participação de Léo Santana

Projeto foi pensado desde o início para contar com a participação de Léo Santana

Divulgação/Rogério Von Kruger

A artista nasceu na Cidade de Deus, zona oeste da capital fluminense, e construiu uma trajetória com fortes influências de movimentos como o R&B e o hip-hop. Ambos os gêneros, de acordo com a cantora, estão fortemente presentes no trabalho dela. 

"O rap é uma coisa muito grande na minha vida, não só na minha carreira. O hip-hop também é uma coisa muito grande. É um gênero que eu consigo me identificar pelas pessoas que lideram o movimento. Eu me identifico com o papo que ele passa, com a ideia, com o visual. É muito natural escutar dentro de quem eu sou e na minha música, porque é um lugar onde eu me identifico. É um movimento que eu me identifico", completou. 

A pandemia

A crise sanitária provocada pelo novo coronavírus impactou diretamente o mercado fonográfico. Estratégias de divulgação, lançamentos e shows precisaram ser revistos e adaptados à realidade imposta pela covid-19. Com Malía, que vinha de um período de crescimento e grande destaque nacional, não foi diferente. "Com a pandemia, muita gente não conseguiu colocar os projetos na pista e eu fui uma delas."

Entretanto, mesmo com as dificuldades do contexto atual, a cantora viabilizou o lançamento de músicas e celebrou alguns contratos de trabalho. "Fechei parcerias com marcas, consegui lançar as minhas músicas, não o projeto inicial que a gente queria para o ano de 2020, porém de uma forma diferente e que cabia dentro de um contexto. Eu estou muito feliz por como aconteceu, por ter acontecido. Ainda que com todas as circunstâncias". 

Confira o clipe de Onda 

Últimas