“Como um anúncio de morte”: Josh Klinghoffer dá mais detalhes de saída do Red Hot Chili Peppers

Guitarrista falou sobre contato com John Frusciante, reunião para a demissão, reação, Brasil e mais

Josh Klinghoffer em 2012

Josh Klinghoffer em 2012

Tenho Mais Discos Que Amigos
Foto de Josh Klinghoffer via Shutterstock Ao final do ano passado ficamos todos surpresos com a notícia de que o guitarrista John Frusciante estava voltando ao Red Hot Chili Peppers. Para isso, Josh Klinghoffer teve que ceder seu posto, e um certo tempo se passou até que o músico falasse a respeito de todo processo. Em 2020 publicamos uma entrevista dada por Josh a um podcast onde ele falou sobre como não sabia da volta de Frusciante e que a revelação foi um 'choque', mas não uma surpresa, pois ele sabia da importância do músico ao RHCP. Agora, em uma nova entrevista para a Rolling Stone, ele expandiu os detalhes e falou abertamente e principalmente sobre o dia em que se reuniu com Flea, Anthony Kiedis e Chad Smith e recebeu a notícia. Josh falou que o post no Instagram feito pela banda veio logo depois da reunião e que parecia 'um anúncio de morte', além disso, revelou que eles estavam criando músicas para um novo disco e o processo foi interrompido. Josh Klinghoffer e a Saída dos Chili Peppers Logo abaixo você pode ler a entrevista traduzida, cortesia do Red Hot Chili Peppers Brasil. Rolling Stone: Me fale sobre o dia da sua demissão. Josh Klinghoffer: Eu recebi uma mensagem de texto de Flea no dia anterior e colocamos o processo de composição em pausa por um tempo e pensei que estávamos voltando ao progresso das coisas. Finalmente chegamos ao senso comum de que gravaríamos um disco e era sobre isso que eu pensava que iríamos falar principalmente. Eu apareci por último e eles estavam todos sentados no quintal e Flea parecia sombrio quando cheguei à porta e ele foi direto até ela e disse: “Decidimos pedir a John para voltar”, e eu fiquei lá sentado em silêncio por um tempo e disse: “Não estou surpreso. Eu gostaria de poder ter feito algo que tornaria isso impossível. Mas estou muito feliz por vocês.' Estou feliz por John. Eu queria deixar intocados os sentimentos que tive naquele momento, que eram apenas o amor por esses caras. Eu amo esses caras profundamente. Eu nunca me vi merecendo estar acima de John. Eu tive essa jornada incrível com esses caras que estavam me trazendo a este momento que estava terminando. Eu era capaz de me agarrar ao fato de que eu realmente tinha muito amor, respeito e gratidão por tudo o que eles me permitiram experimentar com eles o tempo todo. Então, no momento em que eles me disseram, eu pude congelar essa emoção e proteger esses sentimentos em relação a eles, e não ser, um ano depois [se] minhas finanças estiverem ficando complicadas, tipo, “Esses imbecis!” Rolling Stone: Você pode compartilhar o que Anthony disse? Josh: Era principalmente Flea falando. Anthony não falou muito. Mas vi nos olhos dele que foi uma decisão muito dolorosa. E penso em Anthony como uma pessoa muito sensível e solidária. E ele é muito paterno dessa maneira, e pude notar que ele foi pego entre o habitual querer apoiar e carregar alguém e ter que soltá-lo. Eu acho que tudo partiu da conexão de Flea com John. Rolling Stone: Quanto tempo durou a reunião? Josh: Eu provavelmente estive lá por cerca de 35 a 40 minutos. Eu disse: “Minha natureza é me levantar e ir embora, mas há um peso que me mantém aqui porque é a última vez que seremos apenas nós quatro e só quero ficar aqui por um minuto.” Todos nos abraçamos e Chad me mandou uma mensagem antes mesmo de eu chegar em casa. Ele ficou realmente de coração partido por causa disso, porque Chad e eu somos bons amigos. Passei o dia inteiro mandando mensagens de texto porque eles publicaram a informação [da minhsa saída] no Instagram [divulgando a demissão de Klinghoffer] uma hora depois. Rolling Stone: Você sabia sobre a declaração deles? Josh: De modo nenhum. Rolling Stone: Você não teve nenhum papel na elaboração disso? Josh: Nããão. Não não não. Passou menos de uma hora depois que aconteceu e na época pensei: “Uau, isso é loucura.” Flea publicou a mensagem; foi muito claramente sua composição. Fiquei totalmente surpreso. E parece exatamente como um anúncio de morte. De certa forma, isso fez com que eu não tivesse que contar às pessoas, então eu apenas fui para casa com meu café e me sentei do lado de fora no quintal e mandei uma mensagem de texto para as pessoas pelas próximas três horas sem parar. Realmente parecia uma morte, mas quantas vezes você se afasta de uma morte e vive o resto de sua vida? Então eu sentei lá no quintal com o coração muito pesado; foi uma tarde realmente emocionante e isso é algo que, para mim, é agradável de sentir, porque eu realmente não consigo desacelerar e sentir as emoções com muita frequência. Rolling Stone: Você sabia que John estava em contato com a banda enquanto ela estava acontecendo, ou você só descobriu depois de sua demissão? Josh: Eu não sabia que John estava conversando com eles sobre voltar à banda. John entrou em contato com Anthony (cerca de 18 meses atrás) e eles jantaram – isso foi uma surpresa – e então John procurou nosso empresário de turnê. Ele definitivamente estava mostrando seu rosto no mundo Chili Pepper um pouco, apenas com e-mails e pedindo desculpas pelo comportamentos do passado. Então, toda vez que ouvia uma história sobre isso, pensava: “O que ele está fazendo? Ele quer voltar? Lembro-me de uma vez que Flea e ele foram a algum evento juntos, como uma luta de boxe, e havia fotos deles na internet que ouvi falar e fiquei tipo: “Isso poderia acontecer? Isso aconteceria?” E é algo que eu teria pensado totalmente: “Eu sei o que ele está fazendo: ele está tentando voltar”. E eu provavelmente teria me preparado para mais e talvez até tivesse trazido isso para esses caras. Mas, basicamente, no final do dia, era uma total cegueira. Rolling Stone: Por que você não foi até Flea e disse: “Devo me preocupar?” Josh: Porque estávamos tão avançados na composição de um novo disco e eu senti como se houvesse um prazo. Havia um álbum com mais da metade da composição, mas acho que abaixei a guarda porque pensei que tínhamos feito tanto trabalho. Se isso fosse no final de um ciclo de turnê e não tivéssemos nos visto há um mês e John estivesse se disponibilizando, eu teria pensado: “Uh-oh, o que está acontecendo? Talvez seja para uma eventualidade que eu precise me preparar.” Mas tínhamos feito um longo progresso dentro de um trabalho. Rolling Stone: É como se você estivesse namorando alguém e descobriu que eles estavam jantando com um ex. Josh: Sim, totalmente. Eu não sabia que John e Flea estavam se encontrando no nível em que deveriam estar. Porque quando eles me disseram que naquele dia [fui demitido], eu disse: “Bem, não estou surpreso.” E Flea disse: “Bem, acho que você sabe, eu tenho me encontrado com John … tocando. Eu disse: “Eu não sabia que vocês estavam tocando.” É simples assim. No centro de todos esses eventos, John e Flea criaram uma linguagem musical e camaradagem quando John era adolescente. A banda não era tão bem-sucedida ainda. O [guitarrista fundador] Hillel Slovak tinha acabado de falecer. Eles estavam em um lugar muito diferente em suas vidas, e estavam dispostos e capazes de criar uma linguagem e uma conexão musical um com o outro, tão profunda e significativa. Como em um relacionamento com esse amor ardente que você sempre terá. Rolling Stone: Então é como deixar um ex de volta à sua vida? Josh: Exatamente. E você sempre olha para aquele ex e deixa voltar e eu não posso, por um segundo, priorizar nada a ver comigo sobre esse relacionamento musical porque eu era fã dele e vejo isso em primeira mão e eu toquei essas músicas por anos e era um fã das músicas de John. Eu gostaria de poder ter criado algo com a banda que tornasse isso impossível, mas realmente o que é, é desejar ter criado uma linguagem musical com Flea semelhante à que ele tinha com John. Se isso tivesse acontecido cinco anos atrás, provavelmente teria me destruído. Rolling Stone: Por que você diz isso? Josh: Porque isso teria confirmado todas as minhas piores intuições sobre o quanto eu sou péssimo e o quanto sou inútil como pessoa. Eu teria sucumbido aos pensamentos negativos que nossos cérebros adoram lançar contra nós. Mas agora, depois de fazer isso por 10 anos e basicamente escrever três álbuns com eles, me deram um certo espaço de manobra. Tipo, você só pode chegar até um limite do que pode fazer com os relacionamentos onde eles chegam perto de serem realmente o John. Tenho muito orgulho do que consegui com eles musicalmente e pessoalmente com o acolhimento que recebi quando entrei e fiz o que fizemos. Estou realmente orgulhoso disso, e se isso fosse há cinco anos, eu teria pulado de uma ponte. Rolling Stone: E a natureza das substituições é que você sempre será comparado ao seu antecessor. Josh: Quando entrei para a banda, eu nem vinha tocando guitarra com frequência. Não tenho mídias sociais, mas sei que a internet adora me comparar com John e falar sobre o quanto não me comparei com ele. Eu sempre pensava: “Vocês não entendem”. Eu mal tocava guitarra, e poder pular e fazer isso é apenas a maior conquista para meus olhos, porque nunca fui guitarrista. O fato estarem jogando sombra em mim e de que eu estava sendo comparado o tempo todo era realmente engraçado. Rolling Stone: Você acha injusto que os fãs comparem vocês dois? Josh: Eu não diria injusto. É compreensível, mas se eles entenderam o que eu trouxe para a banda em diferentes níveis, além da musicalidade. O fato de eu poder entrar no Chili Peppers e fazer com que todos se sintam como se nada tivesse mudado porque eu já havia estado lá antes. Também pude ter uma linguagem musical – não a mesma de John -, mas comecei a criar uma e sou amigo de todos. Eles eram uma banda há muito tempo; houve conflitos pessoais, muitas emoções, e eu pude aliviar isso e permitir que a banda continuasse. Rolling Stone: Quando você olha para trás agora, havia algum sinal concreto de que eles iriam dispensá-lo que você acha que ignorou? Josh: Eu não diria sinais concretos. Eu sei que o núcleo é a relação musical entre a guitarra e o baixo de John e Flea. Eu acho que sou amigo de todos esses caras de uma maneira excelente e profunda e o relacionamento que tivemos como pessoas o máximo que você pode com alguém que é 18 anos mais novo que você era uma coisa muito especial. E acho que eles sabem o quanto eu os amo. Eles se preocupam comigo e criamos algo realmente especial. John e Flea, independentemente de estarem se dando bem ou não, têm essa coisa que eles criaram em um momento diferente de suas vidas e não há como eu conseguir criar isso. Quando voltei e comecei a tentar fazer isso, era 2009. São pessoas diferentes. Eles têm filhos. Eles agora têm muito sucesso. A quantidade de tempo e vontade de sentar e promover – basicamente comece a namorar alguém de novo – é diferente. Rolling Stone: Você toma a decisão deles como algo pessoal? Josh: Não. Porque sei que eles se importam comigo e que eles gostam de mim como pessoa. Se eles dissessem: “Obrigado, Josh, gostamos de fazer parte de uma banda com você, mas agora vamos contratar essa pessoa”, isso seria uma medida totalmente diferente. É o John. É o cara que eu adorei. Tivemos uma amizade muito especial por um tempo, onde gravamos juntos, saímos e aprendemos músicas dos Beatles. Nunca houve um momento em que eu pudesse olhar para trás e pensar que isso foi ruim. A única coisa é que é meio louco, tirar algo de alguém … É como “Oh, você tem isso e agora não tem mais”. Rolling Stone: Você previu estar na banda por muito mais tempo. Josh: Pelo menos para mais uma turnê, sabe? Porque nós estávamos escrevendo outro álbum. Nunca fui bom com dinheiro e adoro gastá-lo, mas desta vez pensei: “Sim, por quanto tempo isso pode continuar? Esses caras estão ficando mais velhos. Não é como se eles gostassem de fazer turnês por muito tempo… eles não fazem como costumavam fazer. Desta vez, serei um pouco mais responsável e guardarei algum [dinheiro]“ - fazendo tudo isso com as vozes de seus pais em sua cabeça. Eu não penso nesse sentido – sou uma criança quando se trata disso e sempre fui assim e estar na banda deles me permitiu ser assim. E foi uma coisa linda. Mas eu estou ficando mais velho agora. Tenho 40 anos, tipo, ok, talvez eu deva ser um pouco mais responsável. Mas no final do dia, eu estava realmente ansioso para fazer mais um disco. Rolling Stone: Em retrospectiva, quais são seus pensamentos sobre os dois álbuns que você gravou com eles? Josh: Não gosto particularmente dos dois discos. Gostei das músicas e acho que escrevemos algumas músicas muito legais juntos, mas eu sou uma baita dor de cabeça. Rick Rubin foi o produtor [no I’m With You]. E a razão pela qual eu não queria trabalhar com ele na segunda vez [a banda estava conversando para Rubin produzir o novo álbum] foi porque eu senti que os quatro tinham um relacionamento e eu era o homem estranho. E aqui estou tentando me ajustar e é difícil ter uma voz que seja supostamente igual quando você tem esse relacionamento de mais de 25 anos e eu sou esse novo aluno da classe no canto dizendo: “Não, acho que não deveria mudar lá. Deveríamos fazer mais uma vez.” Como ninguém na banda vai me ouvir; eles vão ouvir o amigo que conheceram e com quem trabalharam e com quem colaboraram por muito tempo. E não é ruim. Faz todo o sentido. Mas estou tentando ser um artista nesse ambiente com a mão que me foi dada. Tenho mais músicas escritas e um monte de ideias que ninguém nunca ouvirá, porque há muito tempo para criar. Então, na segunda vez [no The Getaway], trabalhamos com o Danger Mouse [Brian Burton]. Brian é um bom amigo meu, mas o principal era que não queria mais trabalhar com Rick. Brian é fantástico, mas no final do dia, o disco acabou funcionando onde ele é o produtor e Flea é o cara que começou a banda no ensino médio. Quem sou eu nesse meio? Eu nunca senti que era fácil lutar pelo que queria naquele disco, então esse disco acabou sendo um monte de músicas que eu gostei, mas não estava feliz com o som. E então eu estava realmente ansioso para tentar mais uma vez fazer um disco do qual eu estava super orgulhoso. Rolling Stone: Quão avançados vocês estavam no processo de escrita e gravação para o novo álbum? Josh: Não estávamos no processo de gravação. Estávamos apenas escrevendo e começamos no final de 2018 e continuamos tendo pequenos contratempos. Após um mês, quase perdemos a casa em que estávamos trabalhando e todo o nosso equipamento naquele terrível incêndio, mas felizmente isso não aconteceu. Trabalhamos por um bom período durante todo o ano de 2019, mas houve muitos começos e paradas. Rolling Stone: Você acha que eles apenas descartarão o que foi escrito? Josh: Absolutamente tudo. Rolling Stone: Como isso faz você se sentir? Josh: Triste. Estou tranquilo com o fato de que, ao final do dia, respeito qualquer uma das decisões deles, fico feliz por eles e fico feliz que eles estejam tocando juntos e fazendo o que estão fazendo. Estou triste por músicas que escrevi com eles que não apareceram no ‘I’m With You’. Foi o que aconteceu com Brian: tínhamos feito 40 ou 50 músicas e seu estilo de produção é que ele gosta de criar músicas do zero e eu fiquei tipo: “Temos todas essas músicas”. Então, ele escolheu algumas das nossas que mais gostava. E então nós criamos algumas do zero com ele no estúdio, o que foi divertido e legal. Mas a mágica sobre o Chili Peppers é que – e é cada vez mais raro hoje em dia – são quatro caras em uma sala tocando e depois mais ou menos os gravam ao vivo. E isso é basicamente o que eu queria fazer. Eu só não queria fazer isso com [Rick Rubin], que me fez sentir como alguém de fora e é o tipo de pessoa que realmente não tem a capacidade ou o cuidado de nutrir um novo relacionamento. Rolling Stone: Como você esperava que o álbum não lançado soasse? Josh: Eu sempre esperava música crua e energética do Chili Peppers. Há uma parte de mim que queria que soassem como em 1986, talvez com duas ou três lindas baladas em um disco, mas basicamente eu estava sempre tentando fazê-las soar como em The Uplift Mofo Party Plan de 1987/88. Esse é meu único arrependimento e, de alguma forma, sinto que é como se os discos que gravamos durante minha permanência na banda fossem de minha responsabilidade e… não sei necessariamente o quanto tive a ver com eles. Rolling Stone: Você não via John há dez anos até o casamento de Flea em outubro passado. Ele te procurou antes que a banda o dispensasse? Josh: Entrei em contato com ele no meu aniversário quando estava no Brasil, porque sabia que o veria pela primeira vez em uma década e disse: “Ei, eu só quero que você saiba que eu te amo profundamente e que sempre te considerei um amigo. E eu sei que vou vê-lo em breve, então espero que você esteja bem.” Ele escreveu de volta; Eu não consegui entender direito o que ele disse. Às vezes, as palavras das pessoas não fazem muito sentido quando elas digitam. Nos vimos 17 dias depois e foi breve, mas cordial. Mas então o resto do dia foi meio estranho. Tenho certeza de que, naquele momento, ele sabia o que estava por vir. Rolling Stone: Você já teve algum contato com ele desde a sua demissão? Josh: Não. Não há motivo para eu entrar em contato. Quero dizer, se ele me procurasse, eu ficaria surpreso. Rolling Stone: Você almoçou com Flea cinco dias após a demissão. Como foi isso? Josh: Bem, foi apenas muito gentil. Nós apenas nos divertimos muito. Isso nunca aconteceu dessa maneira, a banda nunca teve uma mudança de integrante em circunstâncias definidas; sempre foi um trauma ou uma tragédia. Então para eles, demitir alguém que eles amam e se preocupam e que eles gostaram de fazer parte de uma banda, foi muito difícil. E provavelmente teria sido mais fácil para eles se, quando me contassem, eu começasse a gritar e a dar socos. Há uma tristeza em torno da coisa toda e o tom sombrio da postagem do Instagram era meio que duplo. Foi como, sim, estamos animados por o John voltar. Mas nós gostamos de estar juntos desse cara por 10 anos. A coisa toda tem uma tristeza e é isso que a torna ainda mais estranha. Rolling Stone: Parece clichê, mas realmente soa como um rompimento romântico. Josh: Ah, sim, absolutamente. A analogia é perfeita e é quase banal como é perfeita. Mas é como se você estivesse namorando alguém; você os ama e se preocupa com eles. Ou você diz a si mesmo que os ama. Mas você também pode estar no mesmo plano de seguro de carro e simplesmente funciona. E então o seu ex sexy volta e eles não estão mais em um lugar escuro. E o que você teve com eles e criou com eles fala para outra época; ele fala com mais vendas de discos. Isso faz um pouco mais de sentido. Como se você tivesse um pouco mais de idade; mesmo assim, é como se você pudesse se comunicar mais. Mesmo que em dois anos seus relacionamentos voltem a azedar, há algo familiar. Então, sim, eu sou aquela pessoa que você ama e se preocupa, mas eu não estava lá em 1988. Rolling Stone: Do lado de fora, você sempre parecia ocupar um espaço estranho de celebridade, sendo o cara quieto de uma banda com personalidades muito grandes. Josh: É absurdamente estranho. E se eu der um passo para trás, é incrível e não acredito que essa é a vida que estou vivendo. Meu amigo disse uma vez: você pode entrar em uma hamburgueria “In-N-Out” e ninguém sabe quem você é. E isso é loucura. Isso é incrível. Acho que fizemos quatro sessões de fotos enquanto eu estava na banda. Foi uma coisa tão louca que tive por 10 anos. Há todas sessões de fotos; minha mãe não tem tantas fotos minhas. Então, o fato de que de repente me pedem para tirar fotos com as pessoas é a coisa mais louca. Rolling Stone: Você vê um momento em que tocaria com eles novamente como convidado ou membro permanente? Josh: Sim, claro. Eu os amo como pessoas e sempre quero tocar com meus amigos, e isso é tudo que eu sempre quis. Eu só queria estar em uma banda desde os 12 anos. Eu tive um pouco por 10 anos. Rolling Stone: Você tem alguma mensagem para os fãs? Josh: Essa foi a melhor coisa de eu estar em uma banda como essa; Eu muitas vezes não conseguia olhar para a plateia, o que geralmente não faço, e me concentro no que estava acontecendo no palco e com a banda. E a banda já tinha fãs, então eu não precisava me preocupar tanto em me conectar com eles. Eu poderia fazer isso tocando. Então o fato de eu ter fãs ou que as pessoas gostaram do que eu trouxe para a banda é uma coisa linda e não posso expressar minha gratidão e meu amor por eles o suficiente. Para quem gosta de qualquer coisa que eu fiz, ou para quem se preocupou comigo nesse processo ou para quem acabou de saber quem eu era por estar na banda e não ter repulsa, estou totalmente agradecido. E eu sou muito grato e espero que eles ainda estejam interessados, porque eu não me vejo parando de tocar música. LEIA TAMBÉM: demitido do Red Hot Chili Peppers, Josh Klinghoffer irá abrir shows da turnê do Pearl Jam