Gerard Way diz que My Chemical Romance foi “terapia” para superar 11 de Setembro

Vocalista ainda disse que foi expulso de outra banda por não saber tocar "Sweet Home Alabama"

Gerard Wat na LA Comic-Con

Gerard Wat na LA Comic-Con

Tenho Mais Discos Que Amigos
Gerard Way deu uma longa entrevista para falar sobre suas histórias em quadrinhos mas aproveitou a ocasião para relembrar a finada My Chemical Romance. Vocalista do grupo que levou o emo do underground às massas nos Anos 2000, o cara pareceu bem aberto a falar sobre música em um evento em Los Angeles, e não apenas revelou as motivações para formar o My Chem, como também falou sobre bandas anteriores. Em uma história engraçada, Gerard revelou que foi expulso de uma banda que só queria tocar covers porque era 'muito ruim' na guitarra e não sabia tocar o clássico 'Sweet Home Alabama', do Lynyrd Skynyrd. Depois disso, ele passou um verão inteiro desenhando por cima de quadrinhos conhecidos para aprender a desenhar e tornou-se cada vez mais ligado às HQs. Formação do My Chemical Romance https://www.youtube.com/watch?v=KZ54ZWGNJgU Falando a respeito do MCR, Way disse que a banda surgiu como uma forma de superar o estresse causado pelos ataques terroristas de 11 de Setembro nos Estados Unidos. Tanto os atentados que atingiram cidades como Nova York e Washington, D.C., quanto a banda, são de 2001, e ele falou: O 11 de Setembro aconteceu, aí peguei a minha guitarra novamente e escrevi 'Skylines And Tunrstiles', e liguei para Otter [Matt Pellissier, primeiro baterista] e liguei para Ray [Toro, guitarrista], e chamamos o Mikey [Way, baixista] e começamos a produzir em cima disso. A banda se tornou a minha terapia para o estresse pós-traumático que todo mundo sentiu a partir do 11 de Setembro, e para processar tudo aquilo. O My Chemical Romance encerrou as atividades em 2013. Seu quarto e último disco é Danger Days: The True Lives of the Fabulous Killjoys, de 2010. LEIA TAMBÉM: 16 bandas que tiveram as carreiras afetadas pelos ataques de 11 de Setembro