Spotify interrompe propagandas políticas para 2020 na plataforma

"No momento, ainda não temos o nível necessário de robustez em nossos processos"

Spotify

Spotify

Tenho Mais Discos Que Amigos
Foto de celular com Spotify e disco de vinil via Shutterstock O Spotify anunciou no último sábado (28) uma mudança importante em sua relação com a política. A plataforma de streaming está suspendendo a venda de anúncios para candidatos e partidos em 2020. A decisão vem meses antes da próxima eleição presidencial nos Estados Unidos, e de acordo com o site Ad Age, deve afetar nomes como o democrata Bernie Sanders e o Comitê Nacional do Partido Republicano, alguns dos principais usuários da plataforma de mídia no Spotify. De acordo com a empresa, o motivo é a revisão de anúncios desse tipo, que seria muito 'complicada'. Ainda assim, aparentemente trata-se de uma suspensão, e o serviço deve voltar a vender esse tipo de produto a partidos no futuro, mas está fora das eleições do ano que vem. Por meio de um representante, a empresa disse: A partir do início de 2020, o Spotify fará uma pausa na venda de publicidade política. Isso incluirá conteúdo de publicidade política em nosso pacote apoiado por anúncios e em podcasts originais e exclusivos do Spotify. No momento, ainda não temos o nível necessário de robustez em nossos processos, sistemas e ferramentas para validar e revisar esse conteúdo com responsabilidade. Vamos reavaliar essa decisão à medida que continuamos a desenvolver nossas capacidades. A mudança afeta apenas os Estados Unidos, já que outros países não têm o mesmo recurso. Apesar disso, publicidade feita por terceiros na plataforma continuará contando com conteúdo político. Outras empresas como o Twitter e o Snapchat também tomaram decisões e se afastaram da política em prol de seus usuários. De acordo com especialistas, a mudança pode custar 'milhões de dólares' a cada uma delas. LEIA TAMBÉM: Twitter anuncia fim de propagandas políticas na plataforma