Música Tragédia em show de Travis Scott gera processos de R$ 4 bilhões

Tragédia em show de Travis Scott gera processos de R$ 4 bilhões

Confusão durante o evento organizado pelo rapper em Houston, no Texas, deixou 10 pessoas mortas e diversas feridas 

  • Música | Do R7

Festival organizado por Travis Scott teve 10 mortos em Houston, nos EUA

Festival organizado por Travis Scott teve 10 mortos em Houston, nos EUA

Reprodução/Instagram

A tragédia no show do rapper Travis Scott, no festival Astroworld, deixou 10 mortos e vários feridos.

De acordo com o site TMZ, mais de 125 processos já foram registrados, envolvendo Travis e o rapper Drake, além das empresas Apple e Live Nation. Os processos podem passar dos US$ 750 milhões, algo em torno de R$ 4 bilhões. 

O show, que aconteceu em Houston, no estado do Texas, nos EUA, teve uma confusão na plateia, com diversas pessoas sendo empurradas e caindo no chão. 

A ação movida pelo advogado Tony Buzbee acusa Travis e os organizadores do festival pela falta de planejamento adequado, além de falta de treinamento das equipes de segurança e a falha em realizar um evento seguro para todos. 

O valor pedido seria para cobrir gastos com lesões físicas e mentais de sobreviventes, além dos custos para as famílias das pessoas que morreram. 

"Nenhuma quantia de dinheiro fará essas pessoas se sentirem completas novamente. Nenhuma quantia de dinheiro pode trazer de volta uma vida humana, mas o que buscamos neste caso é tentar consertar, ajudar ou compensar os danos e perdas sofridos por esses requerentes, nada mais que isso", explicou Buzbee.

O rapper e a Live Nation ofereceram reembolso assim que o show acabou para quem estava presente no dia do evento, mas o processo classificou a atitude como "um esforço transparente e grotesco dos réus para limitar a sua responsabilidade, posteriormente, às famílias dos mortos ou feridos".

Fontes próximas a Travis dizem que ele não interrompeu seu show por não saber da gravidade do que estava acontecendo na multidão enquanto se apresentava. A polícia ainda investiga o caso.

Últimas