Entretenimento Pintura rara de Franz Marc é colocada à venda após retornar a família que fugiu dos nazistas

Pintura rara de Franz Marc é colocada à venda após retornar a família que fugiu dos nazistas

ARTE-LEILAO-FRANZMARC:Pintura rara de Franz Marc é colocada à venda após retornar a família que fugiu dos nazistas

Reuters - Entretenimento

Por Hanna Rantala

LONDRES (Reuters) - Uma pintura rara do expressionista alemão Franz Marc --devolvida de um museu no ano passado aos descendentes de um colecionador judeu que fugiu dos nazistas-- deve estabelecer um novo recorde mundial para o artista quando for colocada à venda em um leilão no próximo mês.

A obra "A Raposa" (Die Füchse), com duas raposas coloridas e entrelaçadas, está estimada em cerca de 35 milhões de libras (47 milhões de dólares) quando for colocada à venda na Christie's de Londres, em 1º de março.

"Será um momento incrível para o mundo da arte porque os importantes quadros de Franz Marc são incrivelmente raros", disse Jussi Pylkkänen, presidente global da Christie's, à Reuters enquanto a obra de arte era exibida.

Figura importante do movimento expressionista alemão, Marc nasceu em Munique em 1880 e morreu na batalha de Verdun durante a Primeira Guerra Mundial, com apenas 36 anos.

A pintura "A Raposa" foi comprada em 1928 pelo colecionador judeu-alemão Kurt Grawi, que segundo a Christie's foi forçado a vendê-lo para ajudar sua família a sobreviver e fugir da Alemanha nazista. A pintura foi posteriormente entregue ao Museu Kunstpalast, em Düsseldorf.

"O quadro foi restituído à família no ano passado, após um longo processo, e eles já haviam decidido que, quando o recuperassem, seria colocado no mercado aberto para que o próximo grande colecionador tivesse a oportunidade de possuí-lo", disse Pylkkänen.

Marc "pintou apenas 45 pinturas em 1913, quatro das quais em mãos particulares. Esta é uma obra-prima que está exposta em um museu na Alemanha desde 1962, então este é realmente um momento que várias gerações de colecionadores esperavam", acrescentou Pylkkänen.

(Reportagem de Hanna Rantala)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2838))

REUTERS PVB MCM

Últimas