Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Pai de cachorro
Publicidade

Batata Frita, o começo de tudo!

A surpresa que transformou nossa vida

Pai de Cachorro|Celso Zucatelli e Celso Zucatelli

Nesta foto, o Zuca ainda não sabia, mas seria pai de cachorro
Nesta foto, o Zuca ainda não sabia, mas seria pai de cachorro Nesta foto, o Zuca ainda não sabia, mas seria pai de cachorro

Sete e meia da noite na cidade de Santo André, no ABC paulista. Eu e minha irmã Larissa brincávamos com outras crianças no térreo do prédio onde morávamos quando recebemos um recado importante: "sua mãe disse para vocês subirem porque tem uma surpresa". A reação de ambos foi quase simultânea: "obaaaa, batata frita". Pode parecer estranho e um pouco exagerado, mas nossa mãe era barra pesada com o tema alimentação. Estas coisas "maravilhosas", como batata frita e refrigerante, eram artigos de luxo, permitidos apenas em alguns finais de semana. Apenas alguns, eu reforço.

Assim, largamos nossa deliciosa brincadeira no pátio e corremos para o elevador rumo ao que parecia ser o melhor acontecimento possível, já que ainda era um dia de semana. Entenda: estávamos no final dos anos 70 e esperar o tempo de subida de um barulhento e demorado elevador até o décimo segundo andar era uma viagem aparentemente interminável.

Chegamos esbaforidos e, praticamente, derrubamos a porta em direção à cozinha, mas a surpresa já nos esperava na sala. É até difícil descrever a emoção daquelas duas crianças. Mas, antes de tentar fazer isso em detalhes, vale contextualizar e descrever o ambiente familiar para ficar tudo bem claro.

Na minha casa, nessa época, moravam meus pais Celso e Laura, minhas avós Hermínia e Judith (viúvas), eu e minha irmã com dois anos e quatro meses de diferença de idade (o detalhe dos quatro meses é uma coisa impossível de não escrever porque minha mãe faz questão de dizer que a diferença de idade entre os 3 primeiros filhos é exatamente igual), e o bebê Vinícius que, como vocês já sabem, é dois anos e quatro meses mais novo que a Larissa. Era uma turma razoavelmente grande para um apartamento e esta informação é importante para entender a grandiosidade da surpresa.

Publicidade

Eram outros tempos, outros conceitos, outros entendimentos sobre "ter" um animal de estimação. Como toda criança, a gente queria muito um cachorro ou um gato, mas não rolava. A resposta vinha com peixe, porquinho-da-índia, pintinho… Como eu disse, era outra época e estas práticas de "dar" pintinhos como lembrancinha em festas de aniversário ou doar os porquinhos da índia depois das festas juninas eram comuns. Mesmo sem a gente entender que aquilo não era legal, a gente não gostava e não queria. A gente queria mesmo era um cachorro ou um gato. Eu queria um cachorro, minha irmã, um gato. Tivemos muitos gatos também e depois eu conto pra vocês em outros textos.

Minha mãe costumava contar que na infância teve uma cadelinha chamada Kitty, uma pequinês, e este era nosso argumento: você teve, a gente não tem. E a resposta era bem democrática: eu morava em casa, tinha espaço, aqui não.

Publicidade

Com este cenário fica mais fácil entender que, aos 50 anos, eu lembro de tantos detalhes daquela noite quente em que conhecemos nosso primeiro amor, a "nossa" Kitty. Sim, não deu tempo de ter criatividade de escolher um novo nome ou, quem sabe, foi uma forma que encontramos de tocar ainda mais fundo o coração da nossa mãe para garantir que aquela nova integrante da família jamais fosse embora.

Quase ninguém castrava seus cães naquela época e as ofertas de filhotes de amigos e conhecidos eram muitas. Tocada pela luz divina que ilumina os pais de crianças que pedem cachorros, daquela vez minha mãe aceitou. Importante: nossa cadelinha compartilhava apenas o nome com aquela que estava desde a infância nas lembranças da minha mãe, mas não o porte. A nossa Kitty não passava nem perto do tamanho de um pequinês. Nossa menina era um pastor alemão vivendo com aquela galera no apartamento e espalhando felicidade na minha família.

Publicidade

É claro que a chegada dela veio repleta daquelas recomendações sobre os cuidados que nossa Kitty merecia e as responsabilidades que deveríamos assumir com limpeza e passeios. Mas o que eu quero deixar aqui neste texto é a mensagem sobre os ensinamentos que os pais passam para os filhos sobre respeito com os animais e nós, felizmente, tivemos isso em casa. Muitos bichos, sempre. E muito amor por eles.

Viajando aqui na maionese, hoje, eu sei que o nome dela deveria ter sido Batata Frita. Mas o importante é que foi com ela que tudo começou. Eu, como todos sabem, sou Pai de Cachorro, assim como meus irmãos mais novos Vinícius e João Paulo, que ainda não existia nesta história, mas já nasceu cachorreiro. E a Larissa, que subiu correndo comigo em busca da surpresa, é uma orgulhosa Mãe de Gato. E, sim, embora o nome do blog seja Pai e Cachorro, vamos falar muito de gato também. Obrigado Kitty, por abrir as portas do nosso coração para este amor.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.